Um diário de vida, viagens e estilo.

Roma e o contraste de sentimentos

outubro 17, 2017


O aeroporto de Roma é bem distante do centro histórico de Roma. Ao chegar lá pegamos o primeiro Transfer que encontramos, pagando 40 euros para nos levar ao nosso destino: o Hotel Centrale, na Rua Laurina, nr 34, uma das inúmeras ruazinhas de Roma, bem no coração do maior palco da história ocidental.

Confesso que, do aeroporto até o centro não vimos muita coisa, mas à medida que nos aproximamos do aglomerado de edifícios rosados, à medida que a cidade ia tomando forma na nossa frente, foi simplesmente impossível não ficarmos completamente extasiados com a magnitude daquele lugar.

Roma conseguiu me causar sentimentos inexplicáveis, tamanha é a sua opulência, sua história, seus monumentos. Tudo ali foi construído para ser grandioso, megalomaníaco, inesquecível, eterno. Meus sentimentos diante da cidade foram conflitantes e me fizeram refletir e questionar a existência humana com tal profundidade, que até agora não consigo resolver muitas das questões que essa cidade levantou no meu coração.

Explico: Roma é um legado de centenas de anos de história espalhados por cada esquina da cidade. Um documento colossal das conquistas do Império Romano, da magnificência da Igreja Católica, da opulência da arte, dos excessos da arquitetura, da riqueza de um povo. Tudo em Roma tem proporções épicas, escalas grandiosas, o que faz a gente se sentir muito muito pequeno diante das milhares de vidas e séculos de história que passaram por ali.

Por um lado essa cidade é incrivelmente surpreendente e demonstra todo o poder da humanidade, mas por outro ela nos coloca diante das piores fraquezas humanas: a vaidade, a soberba, a ostentação. Cada edifício, fonte, mausoléu, igreja, coluna, construídos para mostrar a soberania sem limites que a humanidade exerce para deixar sua marca indelével no mundo.

Filosofias à parte, Roma é espetacular. Mesmo que você não tenha tempo para entrar em todos os pontos turísticos, andar pela cidade já vale a pena cada segundo. Eu e o Igor providenciamos um Ticket de 42h para os ônibus Hop On Hop Off que circulam pela cidade e deixam os turistas em pontos estratégicos, compramos ingressos pela internet para o Museu do Vaticano, o Coliseu e O Fórum Romano e compramos direto na bilheteria os ingressos para o Castelo de Santo Angelo. Foram os únicos locais que entramos, porque muitos dos pontos turísticos da cidade são abertos mesmo, como a Praça de Espanha, Fontana di Trevi, Piazza Navona, Campo de Fiori, enfim.

Dia 1: primeiros passos em Roma


Eu e Igor sempre tiramos o primeiro dia de viagem em qualquer lugar pra fazer um "reconhecimento da área". Primeiro batemos perna pelas ruas próximas ao hotel, usando o mapinha que qualquer recepção oferece. Depois pegamos um ônibus de turismo pra ver um perímetro maior do local e definimos o que queremos visitar nos dias seguintes. Sim, a gente não planeja nada com muita antecedência. hahaha Por isso nosso primeiro dia foi apenas andando pela cidade!

Fazendo look do dia na varandinha do hotel :D
Escadaria nos arredores da Praça de Espanha
Piazza del Popolo

Panteão de Roma 
Fontana di Trevi
Sorvete de Pistache do Don Nino
Terminamos o primeiro dia comendo um spaghetti  à Carbonara gostosinho (mas não foi uma explosão de sabor kkk) num restaurante próximo do hotel, chamado Al Vantaggio.


Dia 2: Castelo, Vaticano e comida boa


No segundo dia escolhemos visitar o Castelo de Santo Angelo e o Museu do Vaticano, que ficam relativamente próximos. Dos dois pontos, gostei mais do castelo que, além de lindo, tem vistas maravilhosas de Roma! Não fomos à Basílica de São Pedro, porque é simplesmente LOTADA e a gente não tava a fim de enfrentar filas absurdas. O Museu do Vaticano também é bemmm lotadinho e eu quase podia jurar que estava num bloco de carnaval, de tanta gente!

Sobre o Museu do Vaticano: todo mundo sabe que o povo vai lá pra ver a Capela Sistina com os próprios olhos. Mas o museu inteiro é, obviamente, preenchido de muitas outras artes sacras, muitos santos em sofrimento, muita carnificina medieval, muita ostentação de ouro e riqueza conquistada  à custa do sangue de muita gente (né, vamos ser sinceros). É algo surpreendente e ao mesmo tempo perturbador, pelo menos pra mim que tenho identificação zero com a Igreja Católica (e qualquer outra, pra falar a verdade) e essas imagens de sofrimento não me agradam muito. Sempre saio com duas sensações bizarras: 1) que o ser humano sempre foi meio sádico e aprecia o sofrimento do outro retratando imagens macabras; 2) que o ser humano sempre encontra uma forma de se colocar como santo, superior, poderoso e esse excesso de importância autocentrada me incomoda demais. Mas tudo isso é questão de gosto né?  Eu questionei tudo e toda a existência grotesca da humanidade. Igor achou tudo lindo.

Castelo de Santo Angelo
Vista para o Vaticano
Pausa para uma Focaccia maravilhosaaaaa que comemos no café dentro do Castelo
Museu do Vaticano
Possivelmente o único lugar vazio do Museu kkkk
Depois de visitar esses dois pontos imperdíveis, vagamos pelas ruas e encontramos, por acaso, um restaurante incrível (e lindo!!) onde comemos a melhor massa de Roma: o Cucina Del Teatro. Simplesmente delicioso. Eu pedi um fettuccini com atum, molho de limão e raspas de parmesão que até hoje tenho vontade de voltar a Roma só pra comer novamente. Igor pediu um com molho all'arrabiata igualmente delicioso! Nem preciso dizer que, no calor senegalês de Roma, nós tomamos vinho branco sempre! hehehe


Dia 3: Campo di Fiori, Fórum e Coliseu

Nosso terceiro dia foi dedicado a visitar vários pontos turísticos! Começamos o dia na tradicional feira de Campo di Fiori comendo salada de frutas pra aplacar o calor da cidade. De lá fomos para o Fórum Romano e depois para o Coliseu. Foi um deslumbre. O Coliseu é mesmo uma coisa inexplicável. A gente fica apenas pensando como naquela época o povo conseguia construir algo tão magnífico e gigantesco que está em pé até hoje. É fenomenal e vale muito a pena a visita.


Paladino e Fórum Romano


Terminamos o dia comendo (mais) um spaghetti à Carbonada no Osteria St Ana, restaurante local que foi indicado pelo pessoal da recepção e que é um dos poucos em Roma que fica aberto até bem tarde da noite. Não tirei foto porque estava muito escuro. Todo mundo fala maravilhas, mas a gente achou a comida bem mais ou menos.

Dia 4: bater perna, saladinha e vamos embora!

Nosso último dia em Roma foi apenas para andar mais um pouco pela cidade e relaxar no hotel, comendo as saladas maravilhosas do Pata Pinsa, acompanhadas de vinho branco. Estávamos bem cansados dos 3 dias intensos de caminhada e pegamos mais leve no quarto dia porque de Roma iríamos pegar o trem para Sorrento e finalmente ver um pouquinho de mar depois de dias intensos de calor!

Pata Pinsa: saladas deliciosas acompanhadas de um pão maravilhoso!

Dicas  e Considerações


1/ Ao longo da viagem pela Itália eu experimentei diversas massas, porque sou muito fãzoca de pasta, mas poucas foram realmente surpreendentes. Ouvi pessoas dizendo: "ah, você tem que saber onde comer na Itália pra comer bem". Minha conclusão é simples: um lugar onde eu preciso  de indicação pra saber onde comer bem, não é um lugar de "comida boa" e sim de locais bons para comer. kkk Em Portugal e na Grécia, por exemplo, TODOS os lugares que eu e Igor fomos tinham comida deliciosa (e barata!), então eu particularmente me decepcionei com muita coisa que comemos na Itália (exceto esse fettucini de atum perfeitooo!). Inclusive já comi massas mais fantásticas aqui no Rio e em Recife do que qualquer uma que comemos por lá. Mas essa foi a minha experiência. Conheço pessoas que amaram tudo e vida que segue.

2 / Tudo na Itália é caro, mas Roma é uma das cidades mais caras. Até essas lojas de fast fashion como H&M e Zara tem preços diferenciados das outras cidades. Creia!!

3 / Eu e Igor não gostamos de planejar a viagem inteira com tudo comprado. Na maioria das vezes deixamos pra decidir que pontos queremos visitar quando chegamos na cidade. E foi isso que fizemos: compramos as entradas para o Museu do Vaticano e o Coliseu um dia antes e pronto. Foi ótimo e ficamos livres pra organizar nosso tempo de acordo com a vontade do dia.

4 / Falando em Vaticano, atenção: só se deve entrar com os ombros e joelhos cobertos nesses locais sacros. Isso vale para muitas igrejas pela Itália. Tem gente que não quer morrer de calor usando mangas, então leva um lenço pra cobrir os ombros. :)

5 / Água liberada: sim, Roma possui cerca de 200 torneiras de água potável E FRESCA espalhadas pela cidade e apelidadas de Nasoni (nariz grande), por se assemelharem a um narigão. Essas pequenas fontes absolutamente geniais, que brotam das calçadas foram construídas há mais de 100 anos e até hoje abastecem as garrafinhas das pessoas. Ou seja, se organizar direitinho, ninguém precisa comprar água em Roma. 

6/ Pra quem quiser visitar a cidade, eu sugiro ir na época que nós fomos: final de agosto / começo de setembro. Roma é uma cidade muito quente e mesmo sendo fim de verão, nós pegamos 35 graus todos os dias. Se tivéssemos ido um mês antes, nem teríamos visto a Fontana di Trevi com água, pois no verão o país passou por uma seca braba e as fontes da cidade foram desligadas.


E foi assim que aproveitamos nossos dias em Roma. Andamos muito a pé pela cidade (muito mesmo), vimos coisas lindas, visitamos umas 3 vezes a Fontana di Trevi, comemos muitos sorvetes, tomamos um monte de vinho branco e seguimos viagem. 

15 comentários on "Roma e o contraste de sentimentos"
  1. Melhores fotos! Melhor texto. Nunca tive vontade de conhecer Roma, mas ler seu post + lembrar da Sabrina em Roma (eu era fã daquela bruxinha), até me fez querer ir. Hahaha bjssss

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. AAAAAAAAAA! Lendo o texto de Carol também lembrei da Sabrina, e de tantos outros filmes de Sessão da Tarde que se passam lá, me vi posando para fotos em frente aos monumentos kkkkkkkkkk, seria um delírio? Prefiro acreditar que um desejo se acendeu em mim com mais um post lindo da #LuaDeMelDosLindos :)

      Eliminar
  2. Adorei o post!!! Aliás, acompanhei tudo pelo instagram rsrs Fotos incríveis e o teu relato aqui, hoje foi fantástico. Parabéns!

    ResponderEliminar
  3. Adorei esse post, tenho muita vontade de conhecer a Itália - apesar de Roma nem tanto, ahhaha - e já vi muita gente falando o mesmo sobre a comida de lá.
    Adorei a reflexão sobre a sistina... Eu tenho essa sensação com igrejas aqui de MG, é legal ver alguém falando disso.
    Beijos!
    A Menina da Janela

    ResponderEliminar
  4. Tatiane Depieri18.10.17

    Ótimo post, Carol! Eu também questionei muito a questão da igreja católica quando fui a Roma. Nunca fui de ir a igreja e fiquei com menos vontade ainda depois de ver a magnitude do poder da igreja aí. Mas Roma foi o primeiro lugar que visitei depois de ter minha cidadania italiana reconhecida, por isso sempre vai ter um lugar especial no cuore hehe. Mas me diz como tu fazes pra bater perna viajando e ficar divaaa desse jeito?? Tou aqui toda suada e descabelada... não consigo não! Hehehe Beijo

    ResponderEliminar
  5. Fotos maravilhosas! Sou muito apaixonada pelo seu blog e insta. Será que você podia fazer um post sobre dicas de câmera/fotos? Amei o post.

    ResponderEliminar
  6. Que delicia, parece que me senti lá, não sei se aguentaria esse calor todo... Amei o post, vc consegue passar tudo de uma maneira mara!! Beijo! ❤

    ResponderEliminar
  7. raquek19.10.17

    Caroool, concordo contigo sobre as comidas!
    Ficamos até um pouco decepcionados, porque os comentários eram de que em QUALQUER lugar comia-se bem! Passamos 3 dias em Roma e todas as nossas pedidas achamos "sem graça", sem emoção nenhuma. A salada que pedi em certo jantar estava mais gostosa do que todas as massas que provamos...
    Os sorvetes de pistache é que salvaram. Heheh. Provei de umas 3 sorveterias diferentes e amei todoooooos!!!!!
    Ah! E sobre Portugal concordo COMPLETAMENTE! Todas as comidas maravilhosas! Almoços, jantares, doces... TUDO! Tenho família por lá e já conhecia, mas não canso de visitar e de comer. HAHAHAH.

    ResponderEliminar
  8. Adorei o post! Obrigada por nos contar do roteiro da #LuadeMeldosLindos Amei. ��

    ResponderEliminar
  9. Anónimo19.10.17

    Amei, e meu amor por Portugal só cresce, todo mundo tá falando que lá é oficial o paraíso da cozinha.. se Roma deixou a desejar, isso só intensifica !

    ResponderEliminar
  10. que foto liiiinda essa de vocês dois na mesa!!!!!

    ResponderEliminar
  11. Ai, adorei o texto Carol. Tenho duas escalas longas em Roma, estamos vendo de conseguir ver alguma coisa sem perder o vôo para Amsterdam. Fiquei doida com as fotos e louca pra ver o Coliseu.

    ResponderEliminar
  12. Ai, adorei o texto Carol. Tenho duas escalas longas em Roma, estamos vendo de conseguir ver alguma coisa sem perder o vôo para Amsterdam. Fiquei doida com as fotos e louca pra ver o Coliseu.

    ResponderEliminar
  13. Anónimo21.10.17

    A melhor descrição de Roma que já li, realmente a cidade desperta muitos sentimentos, simplesmente maravilhosa. Quanto ao museu do vaticano, quando visitei contratei uma guia que falava português e o ingresso dava direito a pular as filas, afirmo que fez toda diferença, ouvir as explicações sobre cada pintura e cada espaço que tem lá dentro, me fez ver esta grandiosidade de forma diferente. Fica a dica para quem quer visitar, contrei este guia bem do lado de fora, nestas lojinhas de souvenir, que também funcionam como agencia de turismo.

    ResponderEliminar
  14. Carol! Amei! Começando a ler um por um seus posts da viagem! :)

    Uma pergunta: roma é tranquilo de visitar sem carro? Dá pra fazer bastante coisa a pé? Gosto de destinos que não precisa dirigir, alugar carro, nada disso, que dá pra fazer quase tudo a pé ou de transporte público...


    Beijos!

    Clarissa Carino

    ResponderEliminar

Auto Post Signature

Auto Post  Signature