Um diário de vida, viagens e estilo.

Sobre idas e voltas

dezembro 31, 2015

No meu minúsculo universo de um punhado de amigas, um enorme universo de transformações. Amores que acabaram, projetos que minguaram, notícias inesperadas, pessoas que se foram, pessoas que ainda nem chegaram, inúmeras frustrações e, provavelmente, mais lágrimas que risadas. Mais desesperos que preparos. Mais planos ruídos que sonhos realizados. 2015 foi um dos anos mais estranhos da minha vida. Da vida de todas nós. Tudo o que planejamos foi cercado de entraves e problemas aparentemente sem solução. Uma batalha entre todos os conflitos externos que assistimos e os internos que não resolvemos. Nem a chegada de um amor fez meu 2015 ser menos estranho. Fechamos o ano com aquela angústia de quem não cumpriu nenhuma promessa do reveillon passado, de quem não viu todos seus sonhos se concretizando em míseros 365 dias. Mas é tão pouco tempo, pensamos. E passa tão rápido, pensamos. E ainda assim parece que 2015 se arrastou por décadas e aquela esperança de ano novo que invade nosso coração, demorou pra chegar. "Alguém me tira deste filme, por favor?" Eu penso. E aí acabou o ano. Um alívio.

Planejamos a festa de reveillon, o que vestir, a cor da calcinha, o tom do esmalte, como vamos chegar lá, quem vai dividir o táxi, montamos um grupo no whatsapp para debater a logística de idas e vindas, afinal o Rio é um inferno no Reveillon. Descobrimos que não teremos como voltar da festa. Que não teremos um táxi pra nos devolver pra casa, nem uma van, nem ninguém. E aí sou atingida pela verdade que vai guiar meu 2016: deixa a vida resolver. Se quiser ir, vá. Seja qual for o caminho. Se não souber como voltar, espera. A volta só existe para quem se atreveu a ir. Aguarda o sol nascer, aproveita a companhia de uns amigos loucos que vão dar risada junto com você. Se embriaga até perder os sentidos e chora todas as mágoas do ano que passou. Ou ri, porque bom humor é fundamental. Começa o ano abraçada pelas pessoas que ousaram seguir um caminho parecido com o seu, mesmo sem saber como voltar pra casa. A certeza é um prato cheio de fórmulas repetidas, cansativas, sem graça. Bom mesmo é caminhar sem mapas. Arrisca. Aquele clichê do "o que importa é a viagem, não o destino" é a tendência pra 2016. Ponha em prática.

Desapega do manual de navegação. Usa o coração como bússola. A resiliência como força. As palavras boas como lei. Com 2015 você provavelmente aprendeu que um barco furado só afunda se você não tiver mais fôlego pra remar. Mantenha o ritmo e se não tiver resistência, exercite. A perseverança é um músculo como qualquer outro e precisa de treino. "Ah, mas não tenho remos." Então nade. "Ah, mas não sei nadar." Peça ajuda. O orgulho é feito chumbo e afunda a gente.

Tire o tempo que for necessário para perceber se é preciso desistir ou continuar. Desistir não é demérito, você não precisa vencer todas as batalhas. Continuar não é necessariamente uma vitória, pode ser um desgaste. Use sua força para o que te faz bem de verdade. Respira, fecha os olhos se acalma sobre as ondas. Deixa a vida resolver pra onde quer te levar e abraça esse imenso horizonte sem medo. Talvez você nem precise saber como voltar, apenas como continuar seguindo.

Feliz 2016.



8 comentários on "Sobre idas e voltas"
  1. bárbara31.12.15

    caramba, carol. que bom que encontrei teu texto pela timeline do meu facebook. obrigada por escrever as palavras que me fizeram colocar para fora toda a angústia que estava presa em mim nesse fim de "ano estranho". aparentemente é um "ano estranho" pra tanta gente, que fica até dificil ter esperança de dias melhores. mas nao custa nada ser otimista, ne? vou até tentar ter um ano, como voce disse, deixando a vida levar. tomara que um tempo melhor chegue pra você também! bjs

    ResponderEliminar
  2. Fechou com chave de ouro com esse texto, Carols! Beijo enorme pra você! Obrigada por partilhar tanta coisa boa conosco, por, atraves das suas palavras, nos fazer repensar as nossas ideias e conceitos.

    Um ano novo incrivel pra voce. cheio de tudo o que você quiser!

    ResponderEliminar
  3. Danielle Cunha31.12.15

    Carols, esse ano não foi fácil pra ninguém né? O texto que postei no meu blog tem uma abordagem parecida... Sabe, as vezes evito fazer planos e metas pra não me frustrar, pelo medo que isso me causa, pela demanda emocional e etc, mas acabo ficando é vazia, sem nada por dentro, as vezes a gente esquece do quanto pode ser e quanto pode ir além. Espero que ano nos faça acreditar mais, seja em nós ou em algo melhor.
    Obrigada pelas estampas e seu blog, que deixaram meu 2015 mais colorido e inspirado.
    Beijos!!!
    Ah e se quiser ler meu texto, tá lá no meu blog http://xepadosbofes.blogspot.com

    ResponderEliminar
  4. arol seu texto mostra a realidade de quase 99% das pessoas,2015 foi estranho para todo mundo que conheço,inclusive para mim,como vc bem escreveu:"mais planos ruídos do que sonhos realizados", aconteceu também....vc foi tão feliz nas suas citações,amei sua comparação do orgulho e o chumbo,super verdade....me identifiquei na questão da coragem, eu por exemplo,moro numa cidade que tem praia,e não vou para o reveillon pq não tenho companhia para ir, vou ficar em casa pq não tem uma alma viva conhecida que vai : se eu fosse corajosa ia sozinha,mas não tenho :( já chorei,mas fazer o que, nossos 30 anos estão passando como um foguete e poucos estão realizdos, mas é isso, amo suas reflexões...feliz 2016

    ResponderEliminar
  5. mariana2.1.16

    lindo, vc toca o coração quando escreve... bj

    ResponderEliminar
  6. […] idas e vindas da Carol Burgo num texto de início de ano, super inspirador e tocante, como […]

    ResponderEliminar
  7. Larissa Mamede23.1.16

    Carol, mandou muito bem nessas decisões para esse novo ano; me inspirou! Deixar o coração ser nossa bússola! Grande abraço, e um ótimo 2016 a nos :)

    ResponderEliminar
  8. Deveria estar dormindo mas tô lendo seu blog. Você é a blogueira mais lúcida, real e inteligente que eu já vi em muito tempo. Tô atrasada pra esse post mas tô encantada com tudo! Parabéns pela pessoa que você é. Ainda bem que 2016 tem te tratado bem.
    Beijos da sua nova leitora assídua.

    ResponderEliminar

Auto Post Signature

Auto Post  Signature