Um diário de vida, viagens e estilo.

Mudando o jogo

novembro 03, 2015
Eu tenho este blog há 5 anos. Antes dele tive outros blogs, de textos, de ilustrações, de inspirações. Mas este é o "projeto" no qual estou engajada há mais tempo e em todo esse tempo a pergunta que mais me fizeram foi: "como é que você ainda não ficou rica e famosa com suas redes sociais? Tá esperando o quê????" Leiam isto com um certo tom de indignação por parte do interlocutor da pergunta, por que o sentimento é quase esse. Falam como se eu estivesse perdendo a chance da minha vida, como se eu fosse dona de um potencial gigantesco e fosse cega por não enxergar a oportunidade que é ser uma "blogueira famosa" e simplesmente não enxergam o tamanho da dependência que isso pode causar.

Todas as vezes que escutei essa pergunta, respondi da mesma forma: o blog não é um fim, é um meio. Não é com o blog que eu vou ganhar meu dinheiro, mas divulgar meu trabalho fora dele. Com o blog eu tive a oportunidade de vir para o Rio, escrever roteiros para uma marca feminina que falava de moda e trabalhar numa das maiores agências do país, por que precisavam de alguém com esse perfil de linguagem. Com minhas redes sociais eu pude migrar da função de ser uma diretora de arte offline (que faz cartaz, outdoor, etc) para ser uma criativa digital, por que eu entendo como funciona esse ambiente. Com minhas ilustrações postadas no instagram eu pude fazer minha primeira coleção de estampas para uma marca de biquinis. E com essas mesmas ferramentas eu hoje divulgo tudo o que crio para a Prosa. Eu sou dependente das minhas redes para divulgar meu trabalho, mas não precisaria dessas redes para hoje, conseguir trabalho numa agência. Eu continuo tendo uma profissão que me dá sustento independente de eu postar fotos minhas no instagram ou não.

Mas esse foi o caminho que eu escolhi. É óbvio que ganhar dinheiro com o blog/instagram é maravilhoso e é sim uma oportunidade de ganhar um extra, principalmente no meu caso, que sou uma empreendedora em começo de carreira e o dinheiro não sobra. Mas o outro lado da moeda é feio e duro. Vou explicar:

Há tempos observo o comportamento dos perfis que fazem sucesso repentino no instagram. Observo por que tento compreender por quê o meu não faz tanto sucesso assim, vejam só. Eu me dei ao trabalho de me incomodar com algo tão irrelevante quanto isso por que até achava meu conteúdo interessantinho e tal e sim, me comparei a outras pessoas, por que sou humana. Mas cheguei a uma conclusão: meu perfil/personalidade/estilo não é tão comercial. E ponto. E assim parei de sofrer, por que no fundo não quero mudar essa essência. Mas a verdade é que quanto mais pessoas me seguirem, mais pessoas vão ver meu trabalho na Prosa e isso é o que realmente me interessa pra mim.

Contudo, o que eu observo é que os perfis que mais fazem sucesso são aqueles que não trazem nada além da exploração excessiva da imagem da pessoa. Perfis construídos com selfies, looks, frases de efeito, idas ao salão. É isso que "as pessoas curtem", dizem. E realmente não tem nada de mais nisso, mas em algum ponto isso é uma espécie de epidemia coletiva. Por isso, a título de curiosidade mesmo, comecei fiscalizar quantos likes recebe uma foto minha e quantos likes recebe uma obra de arte que eu curti em alguma exposição e eu nem preciso dizer quem ganha essa batalha, né? A selfie, claro. Mas a partir do momento em que uma ~web celebridade~ toma consciência dessa (ir)realidade, ela transforma toda a sua existência em algo "publicável" e até pra ir na padaria da esquina, ela não esquecerá de usar uma make poderosa e manter os cabelos impecáveis. E digo isto por que já me incomodei de ser "reconhecida" na rua e estar descabelada e de chinelo, como se minha imagem completamente NORMAL fosse algo absurdo. Quando a pessoa começa a ganhar dinheiro com isso, o caso fica ainda mais grave. Ela se torna uma vitrine virtual de marcas, poses e um estilo de vida que, em raríssimas exceções, correspondem à realidade daquele ser humano que acorda com olheiras e bafo como todo mundo.

O que acontece é que criamos uma realidade que agrada aos outros e depois ficamos reféns dessa realidade, nos sentindo eternamente obrigadas a reproduzir aquele mundo fantástico dentro das nossas redes. E isso é o universo de um ser humano famoso ou não. Agora imaginem a proporção desse problema refletido numa geração inteira? E aí eu compreendo quando dizem que ser blogueira/personalidade digital/whatever é um trabalho, por que é mesmo. Dá mesmo muito trabalho sermos constantemente sequestradas da nossa vida comum pelo simples fato de termos criado um perfil que "inspira" tantas pessoas. Até as blogueiras da "vida real" como eu, tem sua parcela imensa de irrealidade, por que no fundo, como minha própria mãe diz:



 "Carolina, ninguém quer ver sua realidade nua e crua por que isso é o que todos nós vivemos. As pessoas querem ver o sonho que ameniza e nos distrai das mazelas das nossas próprias vidas." Mamãe sempre sabe das coisas.


 Imaginem um instagram de legendas reais.


Vejo cada dia mais meninas abandonando suas profissões para viver das suas redes sociais. Vivem da sua imagem, da sua beleza, do seu sorriso. E até aí tudo bem. Mas a velhice chega para todos, as rugas surgem, as celulites também, e me pergunto o que farão depois que a juventude passar. Se hoje Iris Apfel é modelo aos 94 anos, é por que ela construiu algo maior que a beleza que nunca teve. Se tudo o que você faz é pautado pela própria imagem, o que você será depois que essa imagem não existir mais? Será que elas pensam nisso? Será que pensam como farão essa transição? Ou pretendem viver para sempre tirando fotos "inspiradoras" com símbolo de paz e amor nos dedos, enquanto travam uma guerra interior? Não seria essa uma caricatura triste de um vazio muito grande que ainda está por vir? A conta vem a galope.

Pergunto tudo isso por que eu mesma sinto esse vazio em alguns momentos e olha que eu nem sou famosa. Sinto angústia quando não tenho nenhuma foto legal pra postar no meu instagram ou quando o dia está chuvoso e a paisagem não colabora para os meus clicks. Ou pior, quando não tenho uma foto que vai gerar likes. Isso sem contar em quantas vezes perdi as contas de quantas vezes me senti culpada por passar 3 horas no instagram bisbilhotando a vida das pessoas enquanto eu poderia estar lendo um livro. Ou imaginando como será lindo quando eu tiver filhos e postar fotos deles. E os filhos ainda nem nasceram, gente. Isso é doentio e muito sério. Tão sério que transformou a vida de Essena Oneil, blogueira australiana que cometeu recentemente o que eu chamo de suicídio digital.

Essena tem mais de meio milhão de seguidores no instagram e consquistou esse número marcante à custa da sua própria vida. Ela não morreu fisicamente, mas no sentido figurado. Perdeu-se de si, das coisas e pessoas que amava, e virou um fantoche lucrativo da realidade ilusória que criou para si mesma por que, um dia, ela achou que aquilo era um sonho, mas não foi.

Quando li esta matéria sobre Essena, eu entendi perfeitamente o que ela fez. Algo que já passou pela minha cabeça inúmeras vezes e eu nem tenho 500k no instagram. Essena apagou seus vídeos mais assistidos do youtube, apagou seu tumblr e excluiu cerca de 2 mil fotos no instagram. Nas fotos que sobraram, ela editou todas as legendas para mostrar a REALIDADE por trás daquelas imagens e o resultado foi chocante. Essena ganhou muito dinheiro com suas redes sociais, mas perdeu a conexão consigo mesma. Esqueceu que amava artes plásticas e virou uma modelo de instagram, fotografando biquinis para marcas diversas. Esqueceu suas relações familiares e, inclusive, brigava com sua irmã para que ela tirasse melhores fotos. Esqueceu o prazer de fazer um passeio sem compromisso e transformou cada momento e cada paisagem em ensaios fotográficos extenuantes, só para ter conteúdo para postar em suas redes sociais. Criou uma realidade que só fazia sentido no instagram, por que fora dela, era esvaziada de sentido. E quantas pessoas fazem isso? Milhões, inclusive eu. E justamente por isso eu já me questionei centenas de vezes sobre o que fazemos diariamente com nossas vidas online. Eu, que sempre fui sincera e sempre apreciei a verdade, doa a quem doer, me vi doída com o relato verdadeiro de Essena.


Me vi doída cada vez que eu deixei de postar algo que eu achava incrível, simplesmente por que "as pessoas não vão curtir". Quão doente é sentir isso? Em maior ou menor escala, o fato é que estamos reféns das nossas redes sociais a tal ponto que não sentimos que vivemos algo se simplesmente não compartilharmos essa vivência com o maior número de pessoas possível, na maior quantidade possível de redes. A nossa dependência psicológica da aceitação via likes é tão grande que tudo o que compramos ou ganhamos precisa ser divulgado. O que comemos precisa ser compartilhado. Até o cachorro e o gato que temos precisam também ser celebridades de instagram, com perfis, poses e fantasias, e nós nem sabemos mais qual é a função de cada esfera da nossa vida, a não ser servir como mais um cenário idílico da novela que criamos para mostrar para os outros. Presenciamos a era do Eu-Ostentação. O caso é tão sério que, dia desses, me perguntaram se eu estava solteira novamente, simplesmente por que nunca mais postei fotos do boy no meu instagram e eu fiquei verdadeiramente chocada. É como se a existência das coisas da minha vida dependesse exclusivamente da exposição delas nas minhas redes sociais.

Eu sempre dei muito valor à minha liberdade (artística, física e intelectual) e sempre tive sérios problemas em assumir compromissos dos quais eu não poderia desistir. Mas a partir do momento que você "cria" esse universo paralelo você fica, de certa forma, enclausurada nele, comprometida a levar adiante algo que nem sempre te faz feliz e por um simples motivo: as pessoas esperam aquilo de você e pior, elas te cobram por algo que recebem de graça, mas que para você tem um custo. Isso acontece em qualquer profissão e com qualquer pessoa, mas quando o motivo da infelicidade somos nós mesmos, o buraco é mais embaixo. E se já é difícil atender às expectativas que nossos amigos e famílias exigem de nós, imagina fazer isso para milhares de seguidores? Uma vez que você "entra nesse jogo" é imperativo que você saia dele vencedor ou as pessoas simplesmente não vão entender COMO você ainda não ficou rica e famosa, por que simplesmente ninguém trabalha com a opção mais sensata que é você querer preservar apenas o que te faz feliz.

Hoje, mais do que nunca, eu sei que meu blog não é meu futuro e sim uma ferramenta para meus planos, mas se for para eu enriquecer, que seja de uma vida cheia dos meus sonhos, dos meus projetos, das exposições que eu vou, das coisas que eu crio, dos livros que eu leio, do trabalho que eu faço, das pessoas que eu amo, dos destinos que eu visito e das palavras que eu gosto de escrever aqui para vocês. O blog não pode ser maior que eu. Meu instagram não pode ser maior que minha vida real e que minha imagem não pode ser maior que meu intelecto, nunca, jamais, sob hipótese ou dinheiro algum. E esse é um mantra que tento repetir para mim mesma cada vez que me sinto "invalidada" por não ter nada "interessante" para expor. Por enquanto, eu e tantas meninas e mulheres, ainda sofremos as angústias imbecis de uma geração que vive de likes, mas tenho fé que a necessidade de uma realidade verdadeira vai chegar para todas nós. Já está chegando. No momento, me pergunto quantas meninas já chegaram a essa conclusão e espero que consigam entender que, daqui a 50 anos, nossos cérebros vão valer mais que nossas peles perfeitas e cabelos impecavelmente ondulados e que é preciso mudar o jogo para construirmos algo mais consistente que fotos bonitas para o instagram. 


81 comentários on "Mudando o jogo"
  1. Digitei com os pés porque não consegui parar de aplaudir!

    ResponderEliminar
  2. Como sempre eu sempre sabendo das coisas depois kkkkkkk
    A menina simplesmente surtou, é muita coisa para uma pessoa tão jovem dar conta, faze o quê?
    Estou cursando jornalismo e ontem estudando ela internet pensei num trabalho, a relação do homem com a imagem, do começo da pré história até a selfie.....é uma coisa de louco, estamos cada vez mais públicos, e com isso deixamos milhares (muitas vezes milhões) de pessoas entrarem na nossa vida e nem nos damos conta. É bizarro

    ResponderEliminar
  3. Carol, encanta a sua lucidez e a forma como você expôs o que a maioria das pessoas vivem hoje! Encanta ver que não é só uma pessoa, mas várias, que começam a perceber que viramos reféns das mídias sociais e criamos uma realidade que gostaríamos que fosse a nossa. Essas fases de ruptura e entendimento do que é mais importante e o que não deve sobrepor ao que é fundamental e, mais ainda, que as pessoas falem sobre isso.

    Outro ponto que achei muito lúcido e que já escutei algumas vezes: como você não é uma blogueira rica? Entendo perfeitamente quando você fala que seu blog é um meio e não o fim e fico feliz, pois o meu também foi criado com esse intuito, que muitas pessoas não entendem.

    Obrigada por suas belas palavras e sua lucidez! Sucesso sempre e que sua beleza intelectual e seus projetos se destaquem sempre e mais!

    ResponderEliminar
  4. A essência do blog e redes sociais é para compartilhar né? Compartilhar ideias, vontades, ideais... mas hoje tem sido construído para inspirar, inspirar para que a sua vida seja branca e pálida, como tá na moda os feeds do insta por aí. E se a sua vida não se encaixa nessa tal "paleta de cor", como você citou, é só sentar e aceitar que talvez o instante que você tem para compartilhar não é interessante.

    ótima reflexão :)

    ResponderEliminar
  5. Isabelle Larissa3.11.15

    MEU DEUS, como não amar você Carol? me diz mulher? Por isso eu digo e repito de todos os blog com trocentos milhões de seguidores e resenhas, e sorteios, e blá blá blá o seu ainda é meu preferido, o que eu abro primeiro, pelo simples fato de ver coisas reais, de uma pessoa real, que não enche a cara de maquiagem e coloca roupas feias porem "caras" pra poder tirar foto do look do dia. Eu estudo moda e a gente teve que fazer um trabalhinho sobre um blog que fosse bonito, com roupas da moda e antenado nas tendencias, e eu apresentei o seu, porque é o que realmente me inspira, uma pessoa que eu realmente quero ser, que luta pra conquistar as coisas de maneiras verdadeiras, não que usa o corpo e vira modelo de Instagram pra ter roupas bonitas e caras...
    Parabéns Carol, nunca deixe que a "fama" de internet te corrompa do mundo em que vive, é isso que faz suas redes sociais serem únicas e incríveis!

    ResponderEliminar
  6. Luísa3.11.15

    ôôô ôôôô Carol Burgo voltou! Que coisa boa esse post, que coisa boa o Small ter voltado a sua melhor forma :))

    ResponderEliminar
  7. Thais Tavares3.11.15

    Este post explica o motivo pelo qual acho o Small Fashion Diary o melhor blog. Porque isto não é um blog de fashionismos, Carol. Seu blog tem tanta HUMANIDADE, tanta variedade, tantas questões, propõe tantas reflexões bacanas que qualquer categorização não daria conta da realidade. É linda a forma como você expõe suas questões. Eu teria mil coisas para escrever nesse comentário e tudo o que acho do nosso mundo de exposições e aparências e como isso me atinge... não acho simples. São muitas variáveis que precisam ser consideradas. Questões internas, de aceitação, status, dinheiro, vaidade, sem maniqueísmos. O importante mesmo é isso... buscar saber quem você é e a autorreflexão. Para tudo na vida. Obrigada por este texto lindo lindo. :*

    ResponderEliminar
  8. Ótimo texto Carol! Já me fiz várias das perguntas que você se fez. E a principal "porque fulaninha que posta tanta "leseira" tem mais likes do que eu? Minhas selfies sempre tem muito mais curtidas do que a foto de um livro por exemplo, ou das coisas consideradas "nerds" que eu posto. Mas eu decidi que vou continuar postando o que faz parte da minha vida, o que eu gosto e o que me faz feliz! Beijos e mais uma vez parabéns pelo texto.

    ResponderEliminar
  9. Déborah3.11.15

    Carol, no meio de toda essa futilidade social que se tem visto por aí (mundo afora, diga-se de passagem), você tem se mantido fiel a sua essência e vai ser isso que vai te fazer brilhar. Já te faz brilhar! Não troco seus vídeos de "quem disse que não pode?" pelo "tour na minha piscina" (WTF?) ou seus textos cheios de personalidade pelo "recebidos do mês" de ninguém! De ninguém mesmo.
    Quem te acompanha nas redes sociais sabe dessa tua liberdade, inteireza e segurança de si mesma, mesmo quando bate a insegurança. E confesso que já pensei em te mandar msg pedindo pra vc postar mais, só pelo fato que precisar ler pessoas tão lúcidas e conscientes, mas nunca enviei porque percebi que isso não faz parte de quem você é e nem de quem você quer ser.
    Parabéns por ser você. Por ser real, por ser inteira.
    Um beijo giga.

    ResponderEliminar
  10. Carol, adorei seu texto. E pode ter certeza que eu acompanho seu blog e snap porque gosto desse seu lado mais real. Morro de agonia dessas blogueiras famosas, a vida delas me soa muito fake, os vídeos parece que estão sempre forçando um jeito de ser que não é real. É tudo muito comercial. Vejo blogueiras "menores" que já estão indo pra esse lado, de venda venda venda. Mas entendo que infelizmente a maioria das pessoas quer ver esse lado comercial mesmo, que é isso que deve dar realmente dinheiro. Eu não julgo, mas não acompanho estes blogs, simplesmente porque não vejo graça. E conheço muita gente que também não acha graça. Vamos ter que esperar pra ver o que acontece, mas a minha opinião é de que esta geração selfie/ostentação/comercial vai acabar, já tem muita gente saturada disso... e quem vai prevalecer no fim? As blogueiras com personalidade e carne e osso que nem você. ;)

    ResponderEliminar
  11. suzana3.11.15

    Carol, chorei lendo isso. Tava essa semana conversando sobre isso com meu namorado. Sempre que saimos juntos ficamos de tirar uma foto e "postar no facebook" e nunca lembramos de tirar. kkkkk Então ele me diz: "Amor, sabe porque a gente nunca tira foto? porque a gente curte cada segundo um ao lado do outro e nem lembra de ligar o celular. " Como achei isso lindo. Não sou famosa, não sou web celeb. mas tenho um número razoável de pessoas que me seguem e curtem minhas publicações e muitas vezes me sinto presa a isso. É angustiante!! Sigo você desde o comecinho e me sinto amiga sua, por ver tanta inteligência, sabedoria e humildade em você. Não é à toa que somos librianas. kkkkkk Obrigada por escrever esse texto maravilhoso. <3

    ResponderEliminar
  12. Cah Duarte3.11.15

    Olá Carol!

    Que incrível ver sua inquietação. tão lindaente exposta.
    Mas acho que ainda não tenho a completa lucidez que você tem. Ainda me pego comparando e pensando "porque faço tantas coisas e no fim do mês não sobra nem um puto em minha carteira?" e ai todas as coisas ficam só na vontade... "Ahh, como queria ir naquele restaurante legal, com queria poder viajar por ai e ter um closet cheio de coisas lindas". Será que são vontades 100% minhas? Ou são vontades cheia de influências de tantas coisas "lindas" que vejo e que não posso dizer se são tão verdadeiras assim.
    É um jogo complicado, me sinto numa corda bamba entre tudo que vejo e penso! Mas você se posicionando assim mostra que tem mta realidade por aí e essa realidade não precisa vir em caixas de recebidos, mas sim num presente de coração de um amigo querido, numa resposta gente boa sobre algo e não um post que dá polêmica.

    Acho que ainda estamos aprendendo a como nos portar, o que desejar e como seguir nesse mundo cheio de novidades. E seu post é inspirador!

    Um abraço"

    ResponderEliminar
  13. Camila3.11.15

    Carols, minha doce flor.
    Um prazer da vida seria poder te dar um abraço algum dia, sabia? Se não sabia, está sabendo agora :D
    és tão sábia, que eu fico pensando como cabe tantas palavras dentro de uma só pessoa? tantos pensamentos, formas de falar e de se expressar.
    Tenho certeza de que de fato o blog é um meio na sua vida e com certeza eu gosto de fazer parte desse meio, de poder ler o que escreve, de fazer parte dos seus sonhos, da vida em si, no seu total.
    Eu fico me perguntando as vezes como é que as pessoas que de fato ganham a vida expondo pra todos, inclusive para aqueles que não gostam do seu trabalho, mas criticam o tempo inteiro. Deve ser algo bem difícil, pois algumas pessoas conseguem lidar com isso, mas e as que não que não conseguem? Deve ser algo realmente bem complicado de conseguir fazer.
    Desejo que a vida real seja bem maior que a virtual e que você não sinta tanta vontade assim de expor, que tenha vontade de mostrar somente aquilo que desejar. :D <3
    Infelizmente, querendo nós ou não, algumas pessoas esperam poder nos seguir todos os dias, que tenhamos fotos todos os dias, com a família, gato, namorado, papagaio e afins, e realmente é tão estranho. Certa vez, papeei tanto após uma noite de boas companhias e pizza, que não houve foto, no final, quando estávamos indo embora, a noite foi tão agradável que ainda assim ninguém queria foto, momentos como esses não deveriam ser raridades, a gente pode e DEVE viver o real, sem pensar no que vai postar amanhã para satisfazer a curiosidade do outro.
    Grande beijo! :)

    ResponderEliminar
  14. Oi Carol! Vc arrasa nos textos sempre. Suas colocações ponderadas, de alguem que realmente parou pra avaliar a sua volta..e conseguiu de forma lúcida, trazer essa visão para quem a acompanha.
    Sabe eu gostaria se posdivel vc falasse spbre um tema, que me aflige desde que acompanho blogs, e os looks do dia...Eu sempre amei moda, sempre gostei de ir a loja, escolher uma roupa, montar umq combinaçao(look é palavra nova no meu vocabulário). Porém depois do Tsunami de blogs, look do dia...eu me perdi...nao por falta de personalidade...nada disso...mas o sentimento de estar olhando pra uma peça e dentro de mim as palavras tendência....isso nao combina...nao ta na moda....nao sei explicar direito..eu nao olho mais pra uma roupa como antigamente...o sentimento é esse...eu me perdi...

    ResponderEliminar
  15. Penélope Mattar3.11.15

    Carol, você é SENSACIONAL!!!!! Eu que sou uma simples mortal que não tem blog nem nada já me vi apagando foto do instagram porque teve pouca curtida. OI???? WTF???

    Também to vendo isso numa amiga (que também não é blogueira) e que de uns tempos pra cá, chova ou faça sol (e olha que aqui no sul tá chovendo há 40 dias sem parar) só posta fotos de biquini, pegando sol, fazendo SUP, mergulhando, etc. Uma realidade que eu sei que não é dela. Até é, no verão. Mas sabe quando não tem mais conteúdo? Quando tira o cadeadinho do insta pra receber centenas de curtidas pelas buscas nas hashtags?

    Enfim. Adorei teu texto, como tudo que você escreve! Ainda vou pro Rio e vou te achar pra te dar um abraço <3

    ResponderEliminar
  16. Júlia3.11.15

    Li e entendi exatamente o motivo de eu acompanhar esse blog (afinal, eu quase não acompanho nada de moda e vestimenta). Teu perfil de conteúdo é mesmo diferente!
    Que suas intenções com o blog se concretizem e que ele cresça na medida em que você crescer.
    Sucesso, sempre!
    <3

    ResponderEliminar
  17. Cybele Miranda3.11.15

    Maravilha de reflexão, Carol!! Tu és mesmo uma mulher ímpar e tenha certeza que, embora eu ame seus looks, são suas palavras que deixam uma marca indelével.
    :*

    ResponderEliminar
  18. Alicita3.11.15

    Conheço seu blog há um tempo. E amo as estampas que você cria pra Prosa. Ainda não adquiri nada (shame on me $$) mas sempre me pego babando pelas suas produções, Carol. Uma amiga me enviou esse seu post (ela tb lê o blog) como uma inspiração para que eu finalmente tire do papel o plano de criar meu. E talvez seja por aí mesmo: um meio de conseguir distrair a cabeça durante a semana, durante os fins de semana, um espaço pessoal. Não uma fonte de renda e de escalada dos likes nas redes sociais. As blogueiras "pé no chão" são minhas preferidas e espero poder, muito em breve, produzir um conteúdo bacana, autêntico e bem eu. Acredito que pode ajudar no crescimento como indivíduo que gosta de moda e estilo.
    Parabéns pela sua autenticidade, Carol. Você é uma inspiração <3

    ResponderEliminar
  19. li hoje sobre a história da Essena e quando comecei a ler o post (antes de chegar lá), comecei a linkar uma coisa com a outra, é isso aí Carol, acho que os consultórios dos psicólogos estarão cada vez mais cheios dessa gente da era digital... como lidar né?

    ResponderEliminar
  20. Carols, arrasou no post! Eu andei pensando muito sobre isso no feriado, porque quero que o meu blog seja um espaço livre, de sororidade, de amizade, um espaço bacana e sem pressão, sabe? Mas como eu posso construir isso se eu mesma fico presa no tanto de likes que eu tenho numa foto? Ou na obrigação de postar duas vezes por dia no Insta pra página termais alcance? É muito irreal. Esse espaço tem que ser um reflexo de quem eu sou e não da imagem que eu quero passar, né? Adorei e fiquei superemocionada com o vídeo da Essena.

    ResponderEliminar
  21. Carol, parabéns! Disse tudo o que eu estava pensando essa semana quando olho esses instagrans da vida e vejo as meninas postando suas "vidas perfeitas"
    Valeu demais essa reflexão! Compartilhando já!
    Beijos

    ResponderEliminar
  22. um dos textos mais profundos e verdadeiros que já vi, me fez refletir muita coisa.
    obrigada por compartilhar tudo isso com nós!

    ResponderEliminar
  23. Palmas, Carol! Cada vez mais sou sua fã, justamente por você ser essa pessoa pé no chão e que sabe que há mais do que conseguir likes em uma selfie. Parabéns! A reflexão é muito válida, ainda mais em um momento em que vemos que muitas pessoas não têm a capacidade de analisar o que é real e o que é 'produto' e seguem web celebridades (muitas vezes sem conteúdo) sem questionar nada. Muitas dessas celebs são conchas vazias, vivendo da imagem que vendem. O mais triste é ver que esse modelo se popularizou e se tornou desejo de muitas meninas e meninos.

    ResponderEliminar
  24. Fernanda3.11.15

    Lindo seu texto. Um abraço real que chegou pelo virtual. <3

    ResponderEliminar
  25. que texto lindo! Não conhecia o seu blog, mas amei a sincerifade do texto! Concordo com cada palavra :)

    ResponderEliminar
  26. Adoro a sua autocrítica, Carol. Percebo que o comportamento comum é jogar a culpa no outro e acho que você se coloca muito bem quando assume que também faz parte do problema.

    Acho que as pessoas são curiosas pela vida alheia desde sempre e as redes sociais somente tornaram mais fácil o "matar a curiosidade". Não creio que cometer suicídio digital seja a melhor opção (pelo menos pra mim), mas é notório que às vezes perdemos a noção (eu incluída). Eu não deixo de postar o que gosto mas tenho plena consciência do que vai ser mais curtido ou não. Só que às vezes me surpreendo com gente curtindo uma obra de Van Gogh mais do que uma foto minha de biquini. E poxa, como é bom se surpreender positivamente!

    Beijos

    ResponderEliminar
  27. Amanda3.11.15

    Carols...
    Não posso deixar de dizer que eu amei as roupas da PROSA, quando abri a caixa, elas estavam perfumadinhas, que grata surpesa... mandei isso no site da marca, mas preciso repetir aqui. Roupas lindas, delicadas, que vestem muito bem e muito fresquinhas...
    Você é talentosíssima, Carol, e mais ainda, CONSCIENTE! Uma pessoa que é real e se mostra real para nós, elitoras.
    Você vai longe Carol. Esse texto foi muito inspirador e verdadeiro. Obrigada por dividir conosco.
    Beijos

    ResponderEliminar
  28. Carol que vontade de reproduzir esse texto em todos os lugares! Só li verdades!
    Te admiro muito mais agora por ser vc mesma e ter coragem de assumir que vc é DE VERDADE (olha que frase mais absurda mas faz total sentido hoje)
    Super beijo

    ResponderEliminar
  29. Gabriela Ganem3.11.15

    Perfeito! ????????

    ResponderEliminar
  30. Nossa que lucidez como falou Débora. Eu vi a história dela e fiquei bem chocada e pude ver quantas pessoas estão na mesma situação e não sabem e não.se tocam!!!! Com seu ttexto puder ver o porque o meu não é famoso e são pessoais normais e lúcidas w me reconhece na rua. Nossa, é muito perigoso e o que podemos fazer para mudar isso?

    ResponderEliminar
  31. Marina3.11.15

    Oi Carol
    Leio seu blog há muito tempo e só agora deu corangem de comentar. Gosto muito de todo o seu conteúdo, desde sempre, e devo dizer que blogs de pessoas de verdade, que não vivem só para mostrar suas viagens, seus produtinhos de beleza, etc etc, são muito raros. Eu costumava seguir muitos blogs, e passei a procurar conteúdos que eu acho que são realmente verdadeiros, que falam de uma pessoa normal, que vive como eu (e vou dizer, é BEM difícil achar esse tipo de conteúdo). Afinal, qual a graça de ver que tal pessoa usa produtos mil (caros!), que faz viagens mil (carésimas!)? Acho que preciso mais de pessoas reais do que continuar olhando para mini celebridades que são pagas para gostar ou não de qualquer coisa.
    Admiro seu trabalho e espero que continue =)

    ResponderEliminar
  32. Bianca Vergara3.11.15

    Carol,
    seu texto é muito muito bom! Reflete toda uma geração, a qual me incluo, que se preocupa mais no que é nas redes sociais do que na vida offline.
    Muitas vezes posto algo e quando vejo que não tenho um número legal de likes, apago. Ontem mesmo fiquei pensando o quão doentio é isso. Precisamos de aprovações de pessoas que nem nossos amigos são para sermos considerados sucessos? Muito surreal.
    Muito legal ler um texto tão reflexivo que me faz enxergar cada vez mais que a nossa relação com a internet tem que melhorar e muito. Ela tem que ser um instrumento do nosso trabalho e diversão e não o cerne principal.
    Viva você!
    Bjs

    ResponderEliminar
  33. Lívia Ferreira3.11.15

    O melhor texto que li na internet nos últimos tempos! Venho pensando constantemente sobre esse assunto e você o abordou de uma forma tão singular e real. Impossível não se identificar. Carol, seu blog nunca será maior do que você!

    ResponderEliminar
  34. Ana Beatriz3.11.15

    Gente do céu!
    Te admiro muito e acabei de adquirir duas peças da prosa e ó: Teu blog nunca será maior que você! Venho aqui e não me preencho só de "tendências" de moda.
    Beijo!

    ResponderEliminar
  35. Carol, como sempre você disse tudo e mais um pouco. Tenho um blog tbm e me pego pensando exatamente tudo o que você escreveu nesse texto maravilhoso.

    ResponderEliminar
  36. Manoella3.11.15

    Nossa Carol, tô sem palavras pois você conseguiu colocar nesse texto tudo o que sinto e não consigo dizer. Diariamente, a todo momento a gente é consumida cada vez mais por esse mundo de selfies e likes.
    Te acompanho há um tempo e nunca tinha comentado aqui no blog, mas dessa vez não podia deixar de te parabenizar!!

    ResponderEliminar
  37. ótimo texto Carol
    isso que vc escreveu sobre passar horas as vezes no instagram ao invés de ler um livro é exatamente meu sentimento tb, já me culpei por me pegar fazendo isso e as vezes ainda falho...como navegar nessa vidas criadas e fotos produzidas, posts pagos, etc, pode ser inebriante...ainda mais quando a gente tá achando a nossa vida chata pra caralho, haja filtro e senso crítico.

    ResponderEliminar
  38. Nathália3.11.15

    Carol, obrigada por encher nossas vidas com beleza, desde as estampas das Prosa até as palavras sinceras de desabafo. O conteúdo que você publica é de extrema qualidade e sensibilidade e é por isso que esse blog é o primeiro da minha lista há alguns anos. Beijo.

    ResponderEliminar
  39. marcela rebel3.11.15

    essas palavras me emocionam! e não porque me identifico com a (ir)realidade virtual, dos milhões de seguidores e mil likes - longe disso porque meu insta nao passa de 40likes - mas porque passei 1 ano e meio sendo questionada o motivo pelo qual eu nao tinha instagram e a resposta era certa: "simplesmente porque nao quero ficar refém de uma rede social que tiram as pessoas ao meu redor da realidade! porque as minhas amigas param de ouvir o que eu estou dizendo para colocar efeito nas suas fotos, porque eu via os amigos e as pessoas ao meu redor deixarem de curtir o próprio momento presente para curtir o momento alheio...". apesar desse meu discurso implacável, me vi baixando o aplicativo e perdendo horas do meu dia vendo "sei la o que " e invejando a maravilhosa vida alheia que eu nao tinha. por sorte - e penso muitas vezes ser azar - tenho um celular que nao tira selfie e nem tem uma qualidade boa, me impedindo de tirar lindas fotos e ser, talvez, uma "famosa no instagram" e, como voce disse no seu texto, ficar rica por isso. seu texto me fez refletir novamente sobre essa questão. nao de excluir essa rede, mas para a conscientizacao de como usa-la ao meu favor, e - como você disse- para "uma ferramenta para meus plano". obrigada carol, e parabens pelas palavras! floreou o que ja estava murchando dentro de mim. beijos!

    ResponderEliminar
  40. ana terra3.11.15

    Arrasou, só pra variar! ! Sou fã e pretendo continuar sendo ever!! Esse blog tem o perfil que mais combina comigo, e que me enche o coração de alegria a cada novo post!! Parabéns Carol e por favor continue a ser a blogueira que é uma pessoa real compartilhando idéias com pessoas igualmente reais !! Xero

    ResponderEliminar
  41. Luciana3.11.15

    Carol, é a primeira vez que eu comento no seu blog e ainda bem que seja para te parabenizar. Seu post abriu meus olhos para o caminho que estava levando minha arte: eu queria curtidas, não reconhecimento verdadeiro. Acabava tendo likes dos fãs da pessoa q eu retratava, não de pessoas que gostam dos meus desenhos. A partir de hj, tudo muda!!! Nada como um choque de realidade! :) Pode ter certeza q continuarei seguindo seu blog, sendo ele famosão das paradas de sucesso ou não rsrs

    ResponderEliminar
  42. Joanne3.11.15

    Meu Deus Carol muito obrigada por esse texto, muito obrigada por nos revelar como estar do outro lado. A cada dia eu fico mais perplexa de como as pessoas transformam a vida TODA em algo comercial. Se comprou um apartamento tem que fazer "tour pelo novo apt", se engravidou tem que fazer "Diário de Gravidez" e o pior é que as pessoas ficam viciadas em assistir essas coisas, em saber tudo da vida de alguém que nem conhece. A sociedade tá doente. Muito obrigada por ter colocado as coisas assim tão claramente. Te admiro ainda mais agora.

    ResponderEliminar
  43. Marina Couto3.11.15

    Carol, que texto incrível e tocante! Parabéns pelas palavras e por ser quem é :) beijos!

    ResponderEliminar
  44. Carol, já era sua fã e fiquei ainda mais depois deste post.
    Adorei, sou muito cobrada para ficar famosa com o blog, e as vezes, até quero, mas não quero perder minha essência, não quero me vender, mas muita gente não entende.

    www.larydilua.com

    ResponderEliminar
  45. Oii Carol!
    Juro que eu li tudinho, sem pular uma palavra, mas ainda não sei exatamente o que dizer de tão impressionada que estou com esse texto.
    Só posso afirmar que tu falou exatamente a verdade da nossa realidade, que usou as palavras certas. Eu também me pego de vez em quando nas mesmas cobranças que tu e fico pensando na mesma coisa: pra que isso? É triste ver que as pessoas dão mais importância pra vida online do que pro mundo real, e é mais triste ainda que tenha gente que nem se ligue que isso tá virando obsessão e que ainda ache normal. Eu sei que sou viciada em redes sociais, mas tenho a consciência de que a banda não toca por ai e também vivo no mesmo mantra que tu! Não sei se consegui definir no meu comentário o quanto eu gostei desse post, mas faço das tuas as minhas palavras!
    Arrasou Carols!

    Beijos

    ResponderEliminar
  46. Haja filtro pra maquiar a realidade, né? Felizmente, ainda existem pessoas que enxergam o quanto essa dependência das redes sociais e seus likes nos faz perder o que realmente importa: a vida real. Ótimo texto ;)

    ResponderEliminar
  47. Carol, te sigo pq sei que é você aí nessas palavras, nas fotos e no snap. VIDA REAL! É por isso que sou sua fã :)

    ResponderEliminar
  48. É por isso que ademais de tantos blogs que passo o olho, o Small Fashion está entre os 4 que eu leio todo o conteúdo. Sinto que é um conteúdo sincero!
    Muita admiração por ti, como tu defende teus pontos de vista e pontos de vida principalmente!
    Beijos

    ResponderEliminar
  49. Juliana Bohn4.11.15

    Ainda mais sua fã agora!

    ResponderEliminar
  50. Camila Burti4.11.15

    Arrasou Carol!
    É por essas e outras que acompanho você e o blog.
    Você é luz menina!
    beijos

    ResponderEliminar
  51. Simone4.11.15

    Texto maravilhoso, Carol! Coincidentemente, estou assistindo pelo YouTube uma série de palestras do CPFL Cultura a respeito da servidão voluntária. Isso que você expôs no texto nada mais é que isso, né? Aceitar perder a própria liberdade a fim de mostrar para os leitores uma vida que eles acreditam ser a ideal. Eu já cortei muitos blogs vazios da minha vida. Ultimamente só acompanho o seu e o da Ana do Hoje eu vou assim off. O consumo está se tornando uma droga lícita. A cada retorno à realidade, precisamos de uma "dose" ainda mais forte na tentativa de preencher uma vida de vazios. Não nos conhecemos... temos medo de nos despir e encarar a realidade. Imitar a [falsa] realidade do outro parece mais fácil e mais seguro, já que se o outro ganha tantas curtidas vestindo ou portando X objeto, se usarmos também vamos agradar. Tenho trocado visitas a blogs por livros e palestras. Recomendo as do CPFL Cultura, principalmente do Leandro Karnal. Impossível não colocar um pouquinho de nós mesmos no devido lugar após assisti-las. Beijo grande.

    ResponderEliminar
  52. é bem isso que tu disse. dá pra ser business no instagram o tempo todo sem necessariamente viver uma vida de mentira o tempo todo.

    morro de orgulho de te ver engajada em algo assim <3

    ResponderEliminar
  53. MÉODéos, este texto simplesmente me define!!! Fiquei estarrecida e encantada com o fato de vc escrever tudo exatamente como eu penso/vivi e que me afastou do meu blogue, ainda que a desculpa lá não tenha sido exatamente esta, afinal, quem é que iria querer saber a verdade inteira né?
    Beijos, lindona!!!

    ResponderEliminar
  54. Ana Paula Bento4.11.15

    Nossa Carol, que texto incrível e reflexivo!
    Esses dias eu estava pensando no quanto a vida era mais legal sem a internet, do quanto eu me divertia e meu tempo era mais proveitoso na infância e o quanto meus pais viveram mais intensamente cada momento.
    Pra você ter ideia do quanto isso é doentio, eu já postei fotos com meu marido de lugares (exemplo : festa de família) no qual tínhamos quebrado o pau e estávamos chateados um com o outro, mas postei pra mostrar que estávamos em um lugar legal e a legenda era "amo você, você me faz muito feliz" e quando olho a foto me vem a memoria que não, nós não estávamos nada felizes. É realmente preocupante e com certeza depois desse texto, vou pensar muito mais se quero mesmo tirar/postar uma foto de um momento bom da minha vida, pois esse momento tem que ser apreciado por inteiro por mim e por quem estiver comigo.
    Essa reportagem também me tocou muito, assim como a história dessa menina no seu texto: http://g1.globo.com/pop-arte/cinema/noticia/2015/10/idosa-chama-atencao-ao-nao-usar-celular-em-evento-com-johnny-depp.html

    Um beijo enorme e obrigada!!

    ResponderEliminar
  55. Sandra4.11.15

    Parabéns, que mais pessoas reais como você escolham viver a própria felicidade e realidade antes de viver em prol da vida financeira, são blogs como o seu que irão perdurar quando essa fantasia toda for desconstruida.
    Muito bom ver alguém que fala aquilo que tanto aconselho as amigas.

    ResponderEliminar
  56. Polyanna4.11.15

    Não sabia dessa menina, ótimo texto Carol! Me fez refletir bastante.
    Toda vez que eu ver um look seu vou pensar: o que será que aconteceu nesse dia kkkkkkkkkk
    www.polyannacardinot.blogspot.com

    ResponderEliminar
  57. LIVIA GIMENEZ4.11.15

    Aplausos!!!!!!!!! Apenas aplausos!!!!

    ResponderEliminar
  58. Carú4.11.15

    Engraçado, quando vi as notícias sobre a Essena pensei logo em você, por tudo que você sempre diz. Sabia que você ia se identificar... eu tambem me identifico com a situação e olha, nao tenho nem 500 seguidores!
    Queria ter mais coragem para conseguir me desvincular desse mundo como a Essena fez... ainda chego lá. Enquanto isso sigo lamentando o tempo que passo scrolling a timeline.

    ResponderEliminar
  59. […] posts muito interessantes sobre as mentiras Instagramadas – o meu favorito até agora é o da Carol Burgo. A primeira vista isso tudo parece muito bom, mas querem saber? Me preocupa. Porque eu vejo o […]

    ResponderEliminar
  60. Shahla Maya4.11.15

    Profunda reflexão Carol. Amo ler os seus textos, são sempre tão sensatos e verdadeiros. Por tudo isso que de toda a "Blogosfera" eu só acompanho assiduamente o Small e alguns Blogs de maternagem :). Vai ser lindo quando chegar o seu dia de escrever um livro cheio de ilustrações... tenho certeza que esse dia vai chegar!
    E tão bom quanto ler os seus textos é ter uma roupa da Prosa para vestir rsrsrsr. Lembrei até de um outro texto que você escreveu , acho que era "Qual o seu texto" uma coisa dessas ... e sei que o texto que eu quero vestir são esses escritos pela Carol Burgo. Beijo!

    ResponderEliminar
  61. Mayara4.11.15

    Enquanto você tiver a sensatez, discernimento e pé no chão que esse texto passa conteúdo e "likes" não te faltaram! E que sorte a nossa!

    ResponderEliminar
  62. MARIANA5.11.15

    CHO-CA-DA! Deletando facebook agora!

    ResponderEliminar
  63. Rubia Amorim6.11.15

    Carol vc é fantástica, acho que essa palavra resume diversos adjetivos que eu descreveria aqui sem parar, rsrsrs.
    Eu nunca gostei de redes sociais, tenho 26 anos e sou da geração sem internet até a adolescência. Eu já tive face, mais nunca postei nada, nada mesmo, e acabei excluindo, n tenho insta, etc. Eu adoro moda, mais só leio em blogs (não tantos, pq são poucos que tem conteudo além de visual) concordo totalmente com vc, as pessoas criam uma dependência enorme da imagem, é um narcisismo exacerbado. Detalhe qm de verdade se importa se vc come x coisa no almoço, vai em x cabeleireiro, no fundo qse ngm se importa. Precisamos muito parar com esse egocentrismo, e essa supervalorização da imagem, pq como vc mesmo disse, é uma irrealidade.

    Parabéns pelo seu trabalho, lindas peças no proza.

    ResponderEliminar
  64. Rosiclei6.11.15

    Oi Carol, meu adorei seu post, fala bem o que percebi nesses anos em que tive acesso ao mundo de blogs e blogueiras, tudo virou um artifício para vender mais e mais, perdeu-se a essência de tudo. Te sigo desde o início do blog, foi um dos primeiros que conheci (senão o primeiro), nem lembro bem como, mas sei q adorei suas postagens, sua fotos, e sua estória de vida...achei legal, real mesmo, sem aquela aura de glamour industrializado, rsrsrsrs.
    Mas desde aquele primeiro momento não consegui mais deixar de te acompanhar e vibrei com cada conquista sua e mais agora pela sua realização com sua loja virtual, linda por sinal suas concepções, e fico muito feliz e saber q vc é gente como a gente, sem aquela montagem toda de dia perfeito e feliz que a grande maioria de blogs nos vendem todo dia, tem umas que dá nojo só de olhar.. perdeu toda a essência e brilho natural, é tudo forjado e forçado, tudo publieditorial, afffe...
    Bem chega de falação, quero te dizer que curto, aprecio e te desejo tudo de bom, em seu trabalho e sua vida. Vc é uma pessoa sensacional,,,bjus

    ResponderEliminar
  65. Resumiu minha vida!
    Amei o texto, parabéns! ♥

    ResponderEliminar
  66. […] 2)  A minha opinião sobre o que é ter um blog – ele é o meio e não o fim! […]

    ResponderEliminar
  67. Carol,
    É incrível seu relato e ele sintetizou os meus pensamentos espaçados e perdidos. Nossa, de fato, estamos tomados pela era digital e esquecemos da nossa vida real que não é nada glamourosa! Fico olhando as blogger mais famosas mundo à fora e só pensando: "como é a vida delas na real?" "O que elas sofrem para poder ostentar essa vida rica?" Enfim, coisas assim permeiam minha mente. Já me fizeram essa pergunta sobre quando meu blog vai dar dinheiro, mas ele existe, assim como o seu: para comunicar ao mundo o que produzo e, ainda mais, dar dicas ao meus amigos sobreve viagens. Bem, torço pelo seu sucesso e espero ler mais textos incríveis no seu blog.

    ResponderEliminar
  68. Essena O'Neil não cometeu suicídio digital. Ela deletou as contas do Youtube mas abriu uma no Vimeo, só mudou de plataforma. Ao invés de procurar emprego para pagar as contas iniciou outro blog solicitando doações para pagar o aluguel, já que a "pobrezinha" não tem mais o aporte financeiro das propagandas que fazia. Não dá dó da pobre coitada? Tão incompetente que não consegue se manter e precisa viver de doações, e todo mundo achando que ela descobriu a América novamente.

    ResponderEliminar
  69. […] Mudando o jogo, no Small Fashion Diary; […]

    ResponderEliminar
  70. Janaína8.11.15

    seus melhores posts são esses textos reflexivos e verdadeiros! inspiração e autenticidade no meio dessa selva falsa e superficial que é a internet atualmente....

    ResponderEliminar
  71. Eu sempre achei tão chato esses blogs que se resumem a postar look do dia e apresentar marcas... mas nunca tinha pensado na pressão que é pra essas meninas se manterem impecáveis 24h por dia só por causa de uma imagem criada na internet. Sem contar o número gigante de adolescentes que criam blogs porquê acham que ser blogueira é só glamour e nenhum esforço, sendo que na verdade é um trabalho duríssimo pra sempre trazer conteúdo bacana.
    Reflexão interessantíssima! Tá de parabéns!
    bjs

    ResponderEliminar
  72. […] http://www.carolburgo.com/2015/11/mudando-o-jogo.html […]

    ResponderEliminar
  73. Me identifiquei completamente com o seu texto.
    Te acho (e isso já faz alguns anos) incrivelmente inspiradora. Obrigada por sempre trazer esse olhar crítico e sensível em assuntos que passam batido pelos demais blogs. Sabe, tenho blogs (obviamente menores) há tempos, desde que ganhei meu primeiro computador, lá em 2007, e eles sempre foram, para mim, uma forma de de expor a real Vivian. Fosse com textos, fosse com qualquer coisa. Era uma forma de expressar o que eu não podia fazer dentro de casa, ou no meio dos amigos. Gosto sim dos grandes blogs, bonitos e bombados (e sou blog relation numa agência de SP), mas eu entendo o blog como uma forma de expressão pessoal, intransferível, um lugar para encontrar e transmitir inspiração. Seja de qual forma acharmos melhor. Blogs, para mim, não precisam trazer a última ~novidade~ da moda, beleza, whatever, porque isso eu leio no site de alguma revista, ou portal de tendência. No blog eu quero ver essência e é isso que encontro há todo esse tempo que te acompanho. Sou sua fã assumida, todos os amigos já sabem (e talvez você já saiba também), mas não custa dizer mais uma vez!

    Obrigada, de coração, por esse texto! obs: estou amando minhas peças da Prosa, já estou juntando meus dólares paulistanos para adquirir mais sonhos em forma de roupa <3 Um beijo, Carols!

    ResponderEliminar
  74. Silvana Faustino30.11.15

    Carol, muito bom ler as suas palavras...Quero dizer que sempre venho fazer aqui no seu blog e é bom aprender com a forma como você vê e encara os fatos da vida com uma consciência um tanto quanto palpável em letras, consigo perceber a sua essência em suas palavras e é exatamente isso que faz eu querer vir aqui e ler os seus textos e ver os seus posts porque sempre terei algo a aprender, porque é real, porque é sincero, porque é de verdade, não é enfadonho, porque a vida é assim mesmo, todo mundo acorda com remela no olho, todo mundo tem as suas zicas, mas também tem seus momentos de felicidades e uma vida para viver, o que quero te dizer é que seja o que acontecer em sua vida nunca perca a essência de ser de você de verdade, porque isso ajuda a desintoxicar muitas mentes ávidas por viver uma vida virtual ou querer consumir a vida virtual dos outros, quero dizer que você colabora para o meu crescimento como pessoa e me ajuda não ficar numas nóias doidas só porque a vibe é ostentar nas redes...parece até clip de rapper mulher, dinheiro e chandon..e ouro no pescoço.
    Obrigada pois o seu blog ajuda a colaborar pelo menos na minha vida na teoria e na prática por mais sanidade mental.

    ResponderEliminar
  75. Silvana Faustino30.11.15

    Carol, muito bom ler as suas palavras, belas palavras...Quero dizer que sempre venho fazer aqui no seu blog e é bom aprender com a forma como você vê e encara os fatos da vida com uma consciência um tanto quanto palpável em letras, consigo perceber a sua essência em suas palavras e é exatamente isso que faz eu querer vir aqui e ler os seus textos e ver os seus posts porque sempre terei algo a aprender, porque é real, porque é sincero, porque é de verdade, não é enfadonho, porque a vida é assim mesmo, todo mundo acorda com remela no olho, todo mundo tem as suas zicas, mas também tem seus momentos de felicidades e uma vida para viver, o que quero te dizer é que seja o que acontecer em sua vida nunca perca a essência de ser de você de verdade, porque isso ajuda a desintoxicar muitas mentes ávidas por viver uma vida virtual ou querer consumir a vida virtual dos outros, quero dizer que você colabora para o meu crescimento como pessoa e me ajuda não ficar numas nóias doidas só porque a vibe é ostentar nas redes...parece até clip de rapper mulher, dinheiro e chandon..e ouro no pescoço.
    Obrigada pois o seu blog ajuda a colaborar pelo menos na minha vida na teoria e na prática por mais sanidade mental.

    ResponderEliminar
  76. Juliana Borges15.12.15

    Texto maravilhoso, Carol! Te acompanho a um tempo já, desde bem antes de vc ir pro Rio e adoro o seu jeito sincero e culto de falar e de mostrar o que vc pensa e o que vc acha de tudo... lembro que logo que comecei a ler seu blog, li um post sobre organização e acabei comprando um livro que vc indicou, "50 coisas para jogar fora"... esse livro me ajudou demais a me organizar não só nas coisas, mas nas idéias e nos sentimentos também... sou influenciável? você me influenciou? acho que sim... e foi ótimo! Quanto ao que vc disse sobre esse mundo de selfies e de imagem que vivemos, penso da mesma forma que vc, mas por outro lado tb consumo desse universo... aprendi muitas coisas com blogueiras como vc, e com blogueiras como tantas outras que vivem de seus blogs e canais do youtube e que fazem de cada momento da vida uma selfie ou um snap, mas aí, eu acho que vai de quem vê isso, se isso vai influenciar de forma positiva ou negativa... penso muito na vida dessas meninas! Não deve ser fácil mesmo... estar sempre bonita, sempre maquiada, sempre antenada em tudo que está bombando... não seria blogueira nunca na vida... até pq não sou organizada o suficiente pra fazer tudo o que elas fazem... e não me acho nada interessante! rsrsrs... reparou que até as novelas não fazem mais sucesso pq existem tantas "novelas" da vida "real" pelo youtube, instagram, snapchat, que não existe mais novidade! Termino dizendo que este texto é pura reflexão mesmo, pra cada um que lê, sobre que parcela temos nisso tudo... e repito a primeira palavra do meu comentário: texto maravilhoooooso! Bjo, Carol

    ResponderEliminar
  77. Paula Cardoso22.12.15

    Carol, que texto maravilhoso!
    Tenho 18 anos e te acompanho a uns 3 anos, o único blog que eu visito continuamente embora nunca tenha comentado nada. Admiro muito a tua maneira de ver a vida e as reflexões que tu faz.
    Tu me inspira muito!!
    Beijos <3

    ResponderEliminar

Auto Post Signature

Auto Post  Signature