Se tem amor, basta!

20:48

Há quase duas semanas estou devendo um post no blog sobre minha visita a Petrópolis. A vida embolou e no meio de tanta coisa pra fazer, o post ficou aqui, paradinho, esperando eu organizar as fotos e resumir a viagem.

Petrópolis foi um destino inesperado. Igor resolveu me fazer uma surpresa no dia dos namorados e me levou pra conhecer um dos pontos mais românticos do Rio de Janeiro. Além de ser dia dos namorados, também comemoramos nosso 4º mês de namoro, conta que ainda não faz muito sentido pra mim, uma vez que nós dois temos a estranha sensação de estarmos juntos há muito mais tempo.

Muita gente já me falou de Petrópolis e eu confesso que cometi um erro gravíssimo: criar muitas muitas, MUITAS expectativas. heheheheh E eu deveria ter desconfiado de todos que disseram "Carol, você vai AMAR Petrópolis" por que, em geral, todo mundo erra as coisas que eu amo. hahahahahhaha Acontece que eu imaginei a cidade de uma forma que não tem nada a ver com a realidade. (e eu não dei um google antes pra saber a realidade! kkkkk). Imaginei que Petrópolis fosse uma espécie de Tiradentes, fofinha, pequenininha, charmosinha, com ruinhas de pedrinhas, aconchegantezinha kkkkk. Depois pensei: ok, é a Cidade Imperial, então deve ter um pouco ares de Lisboa, mais grandiosa e impávida que Tiradentes.

Mas apesar de ser muito bonita, achei a cidade estranha. Uma mistura arquitetônica de Portugal com Alemanha, com ruas até bem amplas, com muitos carros e um entorno bem esquisito. Me pareceu uma cidade que ia começar a crescer bastante e alguém suspendeu o plano e aí ficou no meio do caminho entre ser pequena e histórica e ser grande e suburbana.

Igor disse que é por que, como eu já vi várias cidades parecidas em Portugal, eu não consegui me surpreender com Petrópolis. Pode ser isso também, mas independente da minha falta de emoção com a cidade, o fato é que ela é bem bonita, tem construções lindas e é diferente do tipo de cidade que estamos acostumados a ver no Brasil. Tem até uma catedral neo-gótica, coisa que nunca vi por aqui pelas bandas tupiniquins.



O que mais amei na viagem foi a subida para Petrópolis. O Rio de Janeiro tem uma geografia rasgada, montanhosa, exuberante. Ficaria dias olhando para a paisagem da serra. Além da paisagem linda, o boy garantiu nossa hospedagem num hotel maravilhoso: o Solar do Império. Acho que nunca me hospedei num lugar tão chique na vida. hehehehe Os quartos são maravilhosos, com pé direito altíssimo (adoro isso!), chuveiros deliciosos (dou valor a chuveiro!), piscina externa e piscina aquecida com sauna. É CLARO que usamos a piscina aquecida e aproveitamos o friozinho da noite para relaxar nessa maravilha e tomar vinho.

O Solar do Império abriga um restaurante bem bacana: o Leopoldina, que serve tanto a quem se hospeda, quanto aos turistas da cidade. Culinária fina, para quem tem um paladar gourmetizado, que não é o meu caso. hahahah Pedi um pato confit com risoto de cebolas caramelizadas e não comi quase nada por que meu paladar é de pobre e acha que comida doce é sobremesa e não o prato principal. kkkkkkk

Mas patos à parte, o melhor momento do hotel foi o café da manhã. Tinha tantas iguarias deliciosas, que era impossível tomar um café da manhã com pressa. Eu e Igor ficamos aproximadamente 2h comendo. Juro. Pedimos as famosas torradas Petrópolis (melhor invenção do mundo) com bolinhas de queijo de cabra, ovos Beneditinos, waffle de pão de queijo, chocolate quente, café com leite, mais torrada Petrópolis com Nutella e panquecas com frutas vermelhas. Ou seja, quase todos os itens do cardápio.

Dicas e Curiosidades

A tal Catedral neo-gótica, dedicada a São Pedro de Alcântara e construída por D. Pedro II, é algo bem diferente aqui no Brasil. Como nosso país teve pouquíssima influência gótica na arquitetura, essa catedral é tipo uma raridade e por isso é um bafafá em Petrópolis. Quando fomos, a catedral estava decorada para um casamento. Muito lindo! <3

Petrópolis fica a uns 60km do Rio, então é o lugar ideal para fugir da cidade um pouquinho! Mas engana-se quem acha que vai encontrar um antro de paz e silêncio: o centro histórico de Petrópolis é bem cheio de turistas e os museus têm filas bizarras. (pelo menos os que nós passamos).

Achei curioso o Palácio de Cristal! Por que não é um palácio. heheheh É uma construção de vidro e ferro, que me lembrou vagamente a do Jardim Botânico de Curitiba, uma espécie de estufa de vidro lindíssima, sem plantas dentro.

Nos indicaram uma vista à Fábrica da Bohemia. Ouvi dizer que é bem legal principalmente para quem gosta de cerveja. Como a entrada era R$ 27 por pessoa e eu não gosto de cerveja, acabamos por não ir. Mas algumas amigas já foram e disseram que é bacana. :D

No final das contas o que fez Petrópolis ser especial pra mim, foi a companhia do namorado mesmo. Apesar de eu não ter me surpreendido com a cidade em si, eu adorei a surpresa do namorado e nos divertimos muito bebendo vinho o dia inteiro, fazendo snaps ridículos e dando risadas pelas ruas. Andamos pela cidade sem compromisso de ver alguma coisa ou enfrentar filas de museu. Queríamos apenas passear, rir, tirar fotos, comer, beber e pronto. Foi isso que fizemos. <3

Beijos, Carols

You Might Also Like

9 comentários

  1. Adoro seus textos, sua histórias... tenho prazer de ler pq sei, aliás, tenho certeza que vou me enriquecer de alguma forma. Seja pela sua simpatia cativante, ou até mesmo por sua encantadora simplicidade. Mas, a sua sinceridade de passsar o que sente, sem caras e bocas. Sem querer passar SER o que NÃO é, isso SIM faz de você exclusiva, e, a melhor blogueira da galáxia!! KKKKKKKKKK E pra sorte de suas leitoras, agora temos a companhia de uma figura simpática, carinha booooa a dele... dá pra ver que o Boy é uma pessoa do bem. E melhor, Ele mora em BH! KKKKK (sou de BH e minhas filhas moram lá) Enfim, casal lindooo! Fofiiiis!!! Beijo no ❤!!!
    P.S dica de um lugar mega romântico...
    Lavras Novas - Pousada Canto Dos Prazeres *TOP* *TOP*
    Convite: moro em Niterói na praia de Itacoatiara. Aqui é um paraíso. Venha passear aqui, passar um dia comigo. Tomar banho de piscina, fazer fotos lindas.

    ResponderEliminar
  2. Leidiane25.6.15

    Ai Carol tu me surpreendes sabias?! Eu amei Petrópolis e pensei q vc tbm iria amar kkkkkkkkk, mas ainda bem que vc é sincera nas suas opiniões. Obrigada, de nada! Ah, eu fui no passeio da Bohemia, tbm não gosto de cerveja, mas peguei carona com um casal fofo na rodoviária q recomendou que eu fosse, foi o passeio q menos gostei e a fila que peguei no Imperial foi bizarra!!!!!!!!!!!! Mas, fiquei sonhando dias com td cidade, pq achei um encanto. Sou de PE, moro aqui e achei a cidade um amor, não digo q voltaria, mas sei lá me pegou no coração! Bjos

    ResponderEliminar
  3. Joanne25.6.15

    Também achava que petropolis era tipo uma Parati mais perto do Rio. Fora que fui com roupa de frio e chegando la qse morri de calor haha mas fora isso, gostei da cidade. O museu inperial é a melhor coisa de lá, você se consegue imaginar como era a vida naquela epoca, num palacio, a realeza erc. Amei! Beijos, Carol!

    ResponderEliminar
  4. chuveiro, importantíssimo. também sou dessas HAHAHA ♥ e as fotos ficaram linds demais

    ResponderEliminar
  5. Eu amo Petrópolis. Tanto que já imaginei morar lá. Acho que é um lugar tem que ir do Rio de Janeiro, bem diferente da cidade em si. Um excelente refúgio.
    https://esoumhobby.wordpress.com/

    ResponderEliminar
  6. Só uma coisa: seus textos são os mais apaixonantes do universo!

    ResponderEliminar
  7. Carol30.6.15

    Acho que todo mundo acaba tendo uma impressão diferente de Petrópolis porque poucos de nós sabemos da história da cidade. Nós sabemos que é a "cidade imperial", e passamos a achar que a maioria das coisas lá terão uma arquitetura mais portuguesa. Só que Petrópolis não foi colonizada por portugueses. A família real tinha moradia lá, e só. Então só vemos traços portugueses em casas "da realeza". E a família real veio para o Brasil quando estava na moda uma estética francesa (o Palácio de Cristal, por exemplo, segue essa estética, e não uma portuguesa).
    O que a maioria não sabe é que Petrópolis foi colonizada por alemães - por isso a sua percepção está correta, lá é uma mistura de arquitetura alemã com portuguesa. Tanto que agora está rolando a festa alemã na cidade.
    E também concordo com a sua sensação de que lá era uma cidade que iria crescer e parou de repente. Faz sentido quando consideramos que a principal economia da cidade é turismo, e turismo voltado para a parte histórica. Então lá a comunidade é cheia de restrições quanto a certos tipos de desenvolvimentos, e as áreas mais afastadas acabam não sendo privilegiadas ou consideradas pelos governantes da cidade....

    ResponderEliminar
  8. Carol1.7.15

    Carol, adoro seu blog! Acompanho sempre, de vez em quando comento nos seus posts, e tive que vir comentar nesse aqui. Sou petropolitana e moro no Rio de Janeiro ha 4 anos, e agora estou indo fazer intercâmbio. Gosto da agitação da capital, gosto do movimento, mas volto pra casa dos meus pais quase todos os finais de semana. Petrópolis é um refúgio pra renovar as energias, pra andar descompromissado pelas ruas com segurança.
    Acho válido pesquisar sobre os lugares antes de ir, mas se o destino foi surpresa, o deveria ter feito após a visita. Petrópolis é uma cidade fundada por alemãs, tanto que vários bairros e ruas daqui tem nomes alemãs. Essa semana está ocorrendo a Bauernfest, festa comemorativa aos nossos colonizadores, famosa pelas comidas típicas e muita cerveja.
    A cidade te deu impressão de que parou no tempo porque nós cultivamos a cultura presente em cada metro quadrado daqui. O centro histórico, os casarões antigos, fachadas e construção são patrimônios, tombados pelo Iphan e que jamais poderão ser destruídos. Buscamos manter nossa cidade assim, cuidamos para preservar a arquitetura que ganhamos como herança. Porém, também foram feitas obras de infraestrutura, a que a cidade é histórica e segunda com maior população do estado, atrás somente da capital.
    Nunca ouvi falar das "famosas" torradas Petrópolis. Ainda por curiosidade fui perguntar a alguns amigos, e nenhum petropolitano tem conhecimento. Deve ser coisa do hotel...
    O palácio de cristal era de cristal e servia como um local para festas e eventos da família imperial, mas manter a reforma era muito caro, por isso foram trocados por vidros. Ah, e o casarão amarelo com quadros de presidentes é o Palácio Rio Negro, abriga os presidentes durante visitas feitas à cidade e por muitos anos serviu como casa de veraneio. Nos fundos do Palácio, há um pequeno museu da FEB, com exposição e acervo dos "pracinhas" petropolitanos que participaram da 2ª Guerra Mundial, é muito interessante. Deveria ter ido à casa de Santos Dumont, museu de cera, e mesmo não indo na visita da Bohêmia, vale pelo menos ir nas tardes de domingo na roda de samba e degustar as cervejas oferecidas.
    O centro da cidade é histórico, com arquitetura preservada e herança cultural em cada esquina. Em uma próxima visita, vá também a Itaipava. Ao contrário do que muitos pensam, Itaipava é um bairro de Petrópolis, que abriga diversos restaurantes deliciosos e vida noturna um pouco mais ativa.
    Que você tenha oportunidade de vir mais vezes, e conhecer mais lugares dessa cidade linda! Beijos!

    ResponderEliminar
  9. Carol Burgo1.7.15

    Oi Carol!!!

    na verdade eu quis dizer justamente que Petrópolis ficou no meio caminho entre ser uma cidade pequena e preservada e ser uma cidade grande. Acho inclusive que nunca deveriam ter construído um prédio sequer por lá, para manter a cidade totalmente histórica. Foi isso que me incomodou. Ver uma espécie de subúrbio bem feio em volta de um centro histórico tão bonito. Descaracterizou a cidade que, poderia ser uma espécie de Tiradentes intocada do Rio de Janeiro, entende? Ah, a torrada petrópolis não é só coisa do hotel não! Se você for na Pavelka do Leblon ou mesmo na subida pra Petrópolis, você vai ver que tem no cardápio. É uma espécie de fatia de pão bem alta, torrada, deliciosa!<3

    ResponderEliminar

Subscribe