Um diário de vida, viagens e estilo.

The Big Bangs Theory

setembro 25, 2014
• Não, não é o seriado. Não, não é um texto real. Sim, é zuêra, ma friends* •
Uma das coisas que aprendemos desde cedo, como meninas nascidas e criadas numa sociedade machista e paternalista, é que a preferência nacional masculina é peito e bunda, não necessariamente nessa ordem. Não é o cabelo, ou a orelha, ou os pés e sim aquelas quatro esferas de tamanhos variados que nascem à frente e atrás do nosso corpo e por conta das quais sofremos grande pressão psicológica no decorrer de toda a nossa vida, em geral por culpa do julgamento de beleza de outras mulheres. Mas o que nós  nunca supomos é que a testa, esse espaço vazio entre as sobrancelhas e o couro cabeludo, pode ser o mais novo ponto de atração do sexo oposto (e agora quero ver quem vai malhar a testa na academia). À descoberta desse advento da natureza deu-se o nome de The Big Bangs Theory, ou a Teoria Das Grandes Franjas, em tradução livre (Herbert Richers).
Uma pesquisa recente do Instituto de Antropologia e Comportamento de Oregon, nos Estados Unidos, descobriu que a testa feminina tem um poder de sedução igual ou superior a qualquer outra parte do corpo onde se possa usar lingerie de renda francesa da melhor qualidade. É que a testa, este planalto craniano onde apenas vemos acumular rugas com o passar dos anos, é responsável pela nossa imagem de independência, segurança, inteligência, e todas essas coisas que assustam os homens em geral e atraem somente alguns em particular. Por isso mulheres poderosas e chefes de estado mundo afora (candidatas à presidência, inclusive) não cobrem suas testas com franjas. Elas deixam-nas expostas para mostrar o quão testa de ferro são, assumindo que o poder feminino está ali, à vista de todos, bem no topo da sua incrível envergadura. Claro que este estudo não faz muito sentido, por que se a testa descoberta é sinal de segurança e inteligência e a maior parte dos homens se assusta com isso, onde está a coerência de se sentirem atraídos pela testa? N ão sabemos. A pesquisa é inconclusiva e nós não compreendemos os homens anyway e vice-versa.
Mas então o que acontece quando decidimos, deliberadamente, cortar uma franja super moderninha, fashion, descolada e atual e cobrir nossa testa? O que acontece, minhas caras leitoras, é que a população masculina atraída por aquela linda testa que exibíamos com displicência, simplesmente desaparece. Não sei em que momento aconteceu este fenômeno, mas de repente a testa assumiu o papel do decote profundo e, digamos, uma franja é a nova gola rolê. Nossa imagem de mulher independente, ousada e empreendedora, dá lugar à figura infantil, desastrada, inocente e emocionalmente despreparada, dos contos de fadas. Em vez de fearless bitches, somos automaticamente confundidas com adoráveis teletubies amarelos e, em poucos dias percebemos que as crianças olham mais para nós que os homens. E que as velhinhas subitamente querem nos adotar no meio da rua. E que a vizinha agora abre o portão pra gente passar. E a atendente do café não quer mais cuspir na nossa fatia de bolo. E que a cobradora do ônibus responde o nosso bom dia às 6 da manhã, sorrindo.
S-O-R-R-I-N-D-O.

O que seria da personagem Summer, de 500 Dias com Ela, sem essa peculiar franjinha desequilibrada e destruidora de corações?
Numa pesquisa de campo na Universidade de Michigan, a cientista social Penny Wolowitz empreendeu uma experiência empírica de observação do comportamento masculino em relação a uma única mulher, que desfilaria seus cabelos pelo campus, com e sem franja. 70 homens entre 18 e 32 anos foram analisados e suas reações à franja foram surpreendentes. 68 dos 70 não perceberam que a mulher com franja passou ao lado deles num minivestido florido. Ao prender a franja e deixar a testa exposta, esta mesma mulher recebeu 59 olhares e/ou cantadas de pedreiro, ao passar pelos mesmos homens. Penny concluiu que a franja feminina produz o mesmo efeito que desfilar com um saco de papelão, o que simplesmente não atrai o sexo masculino, nem mesmo quando existe um minivestido florido em questão. "Não olho para meninas com cara de criança" Afirmou Leonard Cooper, um dos participantes do experimento.

O poder de sedução de um saco de papel: zero.
É certo que, em geral, franjas rejuvenescem os mais cansados semblantes. É certo também que 90% das suas amigas e outras mulheres vão dizer que sua franja está incrível e "por quê você não cortou seu cabelo assim antes?" É certo que 90% das mulheres adora franja e que 90% dos homens, não. E é justamente aí que reside o amor feminino pela franja: ver uma mulher de franja é ter a certeza que estamos diante de um ser inofensivo e fofo, que não oferece riscos à sociedade e, consequentemente, não oferece riscos a nós, fêmeas alfas, que competimos umas com as outras
pelas melhores bundaspelos machos dominantes.
Uma franja é a materialização da inocência e a confirmação de que aquela pessoa é emocionalmente incapaz de praticar a ~vilania~ da sedução, sendo também inapta a retirar mais um exemplar masculino do mercado. Ou, sendo mais clara, é como ter grau 100 de celulite. Claro que isso tudo é aprendizado guardado no inconsciente, tal como é inconsciente a insegurança que sentimos ao ver uma linda mulher num vestido vermelho passando ao lado dos nossos bofes, mas é válido para entender o poder da franja para homens e para mulheres. Assim é comprovado que franjinhas são infantis e, por isso, partimos do pressuposto que qualquer tentativa de paquera com franja será frustrada pelo nosso semblante de Baby Spice
(mas sem esse sex appeal de Lolita). Consequentemente, as chances de um homem comum, descendente direto do cavernoso Homo Sapiens, que continua alimentando no inconsciente a tara pelo velho e bom cabelo grande, farto e desgrenhado, com ares de crina de cavalo, retribuir a nossa paquera usando uma franja é...bom, mínima.
(e essa estatística diminui ainda mais quando a mulher é baixinha)
Todo este raciocínio nos leva à conclusão de que, antes de pensarmos em aumentar os seios ou malhar muito nossos glúteos na academia mais próxima, antes de aumentar o decote das blusas ou diminuir o comprimento das saias para, sei lá, começar um tosco e autodepreciativo ritual machista-pós-moderno de conquista e acasalamento, podemos considerar despir completamente outra parte do nosso corpo muito mais interessante e incrivelmente sedutora: a testa.
*Esta publicação é uma paródia da vida cotidiana que apresenta dados reais e ficcionais, tudo junto e misturado. Nasceu de uma observação sem fins científicos, totalmente baseada em experiências ultraexageradas e pessoais. Contudo o texto não corresponde 100% às opiniões da autora do blog, uma vez que esta possui... FRANJA. 
Tá sem fazer nada?
34 comentários on "The Big Bangs Theory"
  1. Flávia25.9.14

    Você é uma figura, Carol!! Já adorava como você consegue traduzir fatos cotidianos em crônicas incríveis e super engraçadas!! Brincar com os dados científicos e ainda relacionar com o empirismo da coisa, foi fantástico!! Super sua fã!!Por mais crônicas aqui no blog e pela volta da Frida Sofridaaaa!! Abçs

    ResponderEliminar
  2. Tallita Ramos25.9.14

    Carol, nunca comentei aqui, mas eu só tenho a dizer que : escreva um livro, por favor! hahah Seus textos são maravilhosos e engraçados, adoro!

    ResponderEliminar
  3. Laura25.9.14

    ahahahahahahahaahaha Peny Wolowitz e Leonard Cooper... ahahahahaahahaha
    amei o texto!!
    beijos
    Laura (tenho franja - rsrs)

    ResponderEliminar
  4. Penélope25.9.14

    hahahaha senti EXATAMENTE isso quando cortei franja! E foi o que comentei com minha amiga: mulher faz franja pra mulher. E foi o que pensei quando você cortou a sua também (bem quanto eu estava na fase de arrependimento por ter cortado a minha e olhava suas fotos e "nossa, como a Carol é gata and sexy"): CARA, PQ ELA FEZ ISSO???

    Mulher de franja é bonitinho. Na opinião das outras.

    Beijos.

    ResponderEliminar
  5. Juliana25.9.14

    outra franjada aqui comentando! Me senti bem assim quando cortei minha franja, um ser inofensivo. Mas quer saber, adorei! Adorei, me senti mais bonita e muito mais jovem! uahauhauh

    ResponderEliminar
  6. Rebecca25.9.14

    Carol, vc me mata d rir!!! Isso deve ser verdade pq meu namorado agora qnd corto franja e minhas amigas elogiam....hahahha

    ResponderEliminar
  7. Cibele Ribeiro Pereira25.9.14

    kkkkkkk...amei o texto!!! Já usei franja e comentei com o meu marido que estava pensando em adotá-la novamente. Resultado: um mini escândalo seguido por uma promessa minha de jamais utilizarei uma franja. Até porque, segundo ele, eu fico muuuuito mais bonita sem franja!! rsrsrsr

    ResponderEliminar
  8. Hilcia25.9.14

    Concordo muuuuito! Cortei a franja semana passada e de la para ca so escuto" eita, que cara de menininha!!!" Estatistica mais que comprovada!

    ResponderEliminar
  9. Carol, vc é um ser brilhante! Please, escreva mil livros! Bjs

    ResponderEliminar
  10. Ah sim, a primeira imagem ficou muito linda, adoraria uma tee assim. Bjs

    ResponderEliminar
  11. roberta25.9.14

    Quando que vc vai começar a escrever livros.....voce escreve bem demais, criatura.....tem que ser escritora profissinal....peloamor

    ResponderEliminar
  12. Bruna25.9.14

    Adorei o blog e como você escreve, mas quero levantar um ponto que acho que faltou... tenho uma franja lateral, todos sempre falam que eu tenho cara de meiga, mas eu não sou menininha, sou bem mandona até kkkk, e gostaria de dizer que a pessoa pode ter franja, ou não, independente da conquista, deve ter o cabelo que quer ter pq gosta dele assim, do mesmo jeito que a Juliana falou, ela sentiu essa diferença mas se sentiu bem. É isso que importa. Além que só nós mulheres sabemos o quanto gostamos de mudar, um dia estamos mais fofas, no outro mais sexy, depois estamos irritadas até com o ar que respiramos, no outro amamos até o pio do passarinho que te acorda toda manhã.... é bom mudar, e é melhor ainda a gente estar feliz com essas mudanças :D

    ResponderEliminar
  13. Hahahaha muito bom!
    aguardando ansiosa pelo livro <3

    ResponderEliminar
  14. Nossa, Carol! Esse texto foi um tapa na minha cara HAHAHAH eu sempre usei franjinha e me sinto exatamente assim! (e ainda tenho olho claro, ou seja, sou frequentemente comparada à Zooey, principal referência do post)
    Até meus colegas de trabalho homens, por exemplo, sempre me descreveram como no post, "ser inofensivo e fofo". hahaha eu já tinha reparado em quase tudo que você apontou, mas nunca ia imaginar que teria um estudo por trás disso!
    Ainda brinco que a testa como ponto de atração não se aplica a mim, que tenho testa de ET, então a franjinha já virou parte da minha identidade! ahahaha

    ResponderEliminar
  15. Rindo horrores sozinha na frente do monitor 8D

    Por favor, escreva um livro! Esse foi o melhor post que já li aqui e olha que já devo ter lido quase todos, entre muitos outros muito bons!

    ResponderEliminar
  16. Isadora25.9.14

    Carol, você ahaza muuuito nos textos. Investe nesse teu lado cronista e vira a nova Martha Medeiros (versão com franja) HAHAHAH

    ResponderEliminar
  17. Bárbara25.9.14

    ontem cortei uma franja, dps de muito pensar exatamente sobre isso, ja que sempre achei que minha cara era bem mais séria antes da bendita franjinha kkkk decidi que foda-se e que eu preciso gostar do que esta na minha cabeça, ou mais especificamente ~na minha testa~ ignorei o fato de ter um redemoinho bem na frente do cabelo, cortei e hoje dei de cara com seu texto kkkkk muito bom!

    ResponderEliminar
  18. Carol, estou impressionada com sua escrita, tá cada dia melhor! Seus textos são deliciosos e fluídos. Ontem li sua carta de amor no instagram, coisa maravilhosa!
    Acompanho seu blog há tempos e de uns meses pra cá seu semblante tem transmitido tanta satisfação, alegria, tudo muito lindo e inspirador.
    Parabéns!

    ResponderEliminar
  19. Carol, gata, esquece as estatísticas. Mulher é sensual and poderosa quando quer, tenha franja ou não! hahahaha
    E contrariando a pesquisa, passei a receber muito mais cantadas e viradas de pescoço depois que cortei minha franja, lá em 2007. Depois disso até tentei passar um tempo sem franja, mas em olhava no espelho e não me reconhecia sem ela, aí cortei de novo. E tô muito mais feliz, ainda que meu marido diga que sim, eu pareça mais menininha. hahahahaha Como já disseram lá em cima, a questão é se sentir bem com o que ver no espelho. E danem-se as pesquisas!

    Beijos

    ResponderEliminar
  20. Vanessa25.9.14

    Hahahha já tenho cara de novinha e sou baixinha, e sábado passado ainda decidi que ia sim cortar franjinha...to adorando e meu namorado curtiu também.
    E sua franja é uma graça, me deu coragem de fazer a minha rs.

    ResponderEliminar
  21. Ana Paula25.9.14

    Apenas te entendo muito. Tenho 1,50 de altura, 22 anos e reconheço: meu rosto fica melhor de franja do que sem, mas usá-la me deixa com cara de quem tem 15 anos e eu não gosto disso. Meu namorado é altíssimo, barbudo e mais velho do que eu (o que fica ainda mais aparente pela barba dele e pela minha cara e tamanho de criança) e eu simplesmente odeio ter que responder a pergunta "é seu pai?". O único momento em que pude ter franja sem parecer criança foi quando tive cabelo pixie, mas aí é porque eu não parecia inofensiva, eu parecia um menino! Aprendi a me maquiar e "adultesci" meu estilo justamente quando cortei o cabelo extremamente curto e parecia que toda a minha feminilidade tinha ido pro ralo.

    Hoje, preciso deixar meu cabelo crescer e tenho considerado franjinhas... Com medo, mas tenho. Apenas esperando o cabelo assumir uma forma definida e é quase certeza que corto uma. Vou me sentir um pouco mais escrava de delineador, salto e batons fortes pra parecer mais adulta, mas é muito difícil fugir disso quando você acaba, na verdade, ficando mais bonita!

    ResponderEliminar
  22. Flavinha Nobre25.9.14

    hahahahahaahahahahahahahah!! ADOREI!! Aahahahahhahahaha

    ResponderEliminar
  23. Nathy25.9.14

    Rindo litros. E é por não querer atrair olhares que corto minha franja! Huhuhuhu!

    ResponderEliminar
  24. Monica26.9.14

    Ê lelê...mesmo que as estatísticas e pesquisas e até a maioria dos comentários sejam confirmando esta triste realidade das mulheres de franja...conto aqui minha experiência com a dita... em 2008 depois de um fim de relacionamento desastroso...em um momento de surto (quase psicótico...) passei a tesoura e fiz um franjão assim como o seu... assumir a franja naquele momento foi um grito de auto afirmação...vi minha personalidade se fortalecer com aquele corte de franja, me sentia confiante, determinada e capaz de seguir e tocar minha vida...louco, mas acho que a franja me ajudava a dizer: sim essa sou eu goste quem gostar!!!!! Sempre achei q para "ter um corte" de cabelo é preciso personalidade, atitude, ousadia e a franja representou isso pra mim!!! Resumindo..logo depois do fatídico corte .conheci um rapaz...e hoje ele é meu marido!

    ResponderEliminar
  25. Hahahah, muito bom Carol! Sempre usei franja na adolescência e quando entrei para vida adulta, relutei durante ANOS em cortá-la novamente com medo de parecer muito infantil e, consequentemente, menos respeitada no local de trabalho! Confesso que quando conheço pessoas novas por conta do trabalho elas já me olham com aquela cara de 'essa aí é estagiária ainda...'

    Concordo com a sua teoria maluca, viu!

    Beijos

    ResponderEliminar
  26. Ah! Tomei a liberdade de linkar esse post lá no meu blog :)

    http://www.biquinidebolinha.com/2014/09/vi-e-gostei-o-efeito-das-franjas.html

    ResponderEliminar
  27. Paula26.9.14

    isso, passa um dia sem ler o blog mesmo... vc escreveu ontem e eu cortei hj! hahahahahahaha
    maaaaaaaaaaaaaaaas, eu sem franja não fico igual à bey... então whatever! devo ter cara de menininha insegura de qqr jeito kkkkk (mesmo sem franja a galera sempre acha q sou mto mais nova)

    amo seus textos ;)

    ResponderEliminar
  28. lorena28.9.14

    hahahaha. Adorei o texto!!! Parabéns!

    ResponderEliminar
  29. Luana29.9.14

    Olá, tenho franja desde 2012 e não concordo cm mt coisa, (infelizmente, pois na maioria das vezes odeio) costumo chamar muita atenção na rua. Uso por conta da minha testa grande, mas as vezes bate uma vontade enorme de tirar, só que fico horrível sem, ela tem esse poderzinho de me transformar total kkk adorei o post

    ResponderEliminar
  30. Sabrina Lima29.9.14

    Ótimo texto Carol, e eu que sempre odiei franja em mim (minha mãe me obrigava a usar quando era criança e minha libertação foi o dia em que meu pai disse que eu tinha o direito de cortar meu cabelo como queria hahaha, isso com uns 10 anos) agora tenho mais um motivo para não adotá-la.

    ResponderEliminar
  31. Incrível o texto, Carol! Muito divertido. Estou rindo horrores, sozinha em casa, com minha testa descoberta e dominadora. hahahahaha Muito legal. Faça outros assim. Será um sucesso, na certa!

    ResponderEliminar
  32. Larissa8.10.14

    Brigitte Bardot tá aí pra provar exatamente o contrário.

    ResponderEliminar

Auto Post Signature

Auto Post  Signature