Um diário de vida, viagens e estilo.

Crônica de provador: seja deliciosa

julho 09, 2013
O cheiro é uma das coisas mais pessoais que um ser humano pode ter. Ainda que essa coisa tão pessoal seja produzida em larga escala, como um perfume, o fato é que, cada corpo absorve o perfume de um jeito e é isso que torna o nosso cheiro memorável. E meu nariz, caras amigas, é uma máquina olfativa hipersensível. 

Por exemplo: homens que usam o 212 de Carolina Herrera têm 70% mais chances de atrairem a minha atenção do que os que usam Hugo Boss ou Polo Sport (qualquer fragrância). Isso significa que o meu nariz e cérebro são sensíveis a esse perfume, despertando em mim emoções nostálgicas e contagiantes, o que faz com que eu olhe com o nariz outros olhos, para aquele cara. O Leau Dissey de Issey Miyake masculino é o cheiro da minha tia e da minha melhor amiga, o que faz com que, homens usando esse perfume tenham 75% a menos de chances de paquera com o meu nariz altamente exigente. O Light Blue de Dolce & Gabbana é o cheiro da minha mãe e o meu, há muitos anos. E assim eu vou colecionando "pessoas" pelos seus cheiros. (o que me lembra um livro sensacional chamado "O Perfume" do autor Patrick Süskind - super indico!)

Mas o que acontece quando o seu cheiro tem um nome, digamos, comprometedor? 
Acontece o seguinte: você tem uma história para contar.



* * *

Era domingo à noite e (vamos colocar um nome fictício aqui) Juliana queria ir naquele bar super descolado, mesmo sabendo que trabalharia na segunda-feira. Para Juliana o fim de semana não acaba depois do Fantástico. Ju animou as amigas para acompanhá-la ao tal bar maneiríssimo. No fundo ela sabia que as meninas não iam gostar muito do lugar, que era meio alternativo, tocava rock e era frequentado por gente estranha de todas as partes do mundo: americanos, argentinos, japoneses, alemães. Por conta dos gringos, o bar atraía também uma horda de mulheres de atividade duvidosa, desfilando vestidos curtíssimos e dando em cima de vários homens ao mesmo tempo, tentando levar algum pra casa. 

Se para o resto do mundo esse bar era "underground" demais, para Juliana era uma mina de acontecimentos inéditos e interessantes, como daquela vez que uma mulher muito bêbada beijou um mendigo que passava na frente no bar catando latinhas. Ou ainda aquela rodinha de argentinos cantando o hino nacional na frente do bar. Ou aquele americano enorme, de uns 17 anos, sozinho no bar, que se deixou ser atacado por uma mulata com glúteos jamais imaginados, em terras tropicais.

Aquele bar era um oásis no meio de um bairro conhecidamente "grã-fino". Em vez de gatinhos e gatinhas produzidos pra balada, fazendo fila pra entrar, o bar oferecia uma gama internacional de gente esquisita, de línguas diferentes, de cortes de cabelo exóticos e figuras interessantes e esdrúxulas e uma boa quantidade de álcool e rock n'roll. O lugar perfeito para se conhecer gente diferente, com quem Juliana consegue conversar, praticar o seu inglês, ou mesmo dialogar em línguas desconhecidas. E justamente por uma questão linguística, a noite ficou surpreendente, para não dizer patética. 

O bar estava bem lotado, apesar de serem 2h da manhã de um domingo, e lá dentro tocava alguma música de Bon Jovi, que animava a galera. Juliana decidiu curtir o som também, enquanto suas amigas ficaram do lado de fora, numa mesa. Ao subir as escadas, Juliana foi abordada por um gringo de nacionalidade indefinida, que era até bonitinho, apesar da camiseta regata estilo Right Said Fred, e dos brinquinhos de argola nas orelhas. E aqui aconteceu um diálogo esquisito.

* * *

Vamos voltar no tempo umas 4 horas: Juliana investiu alto na sua produção da noite. Vestiu uma camiseta descolada, com shortinho, sandália e uma bolsa de franjas. Maquiagem no ponto. Tudo para parecer bacana, mas sem os exageros de um vestido de paetês, por exemplo. Antes de sair de casa escolheu usar um perfume que não é o seu cheiro habitual. Escolheu o Be Delicious de Dona Karan New York (DKNY), uma fragrância refrescante, cítrica, com cheiro de fruta. 

* * *

O gringo parou Juliana no meio das escadas e falou em inglês: 

- Sorry, but I have to say this: you are beautiful! 
   (Desculpa, mas eu tenho que dizer isto: você e linda!)
- Oh, thanks! 
  (Ah, obrigada!)
- I love the color of your skin... it's so brazilian... 
  (adoro a cor da sua pele...é tão brasileira...)
- Oh, thanks! A lot of sun to get this tan... 
  (ah, obrigada. Muito sol pra chegar nesse bronzeado...)
- So...do you have a boyfriend? 
  (então, você tem namorado?)
- No, no. I'm with my friends... 
  (não, não. Estou com minhas amigas aqui)
- Hummm... I see... can I say something?
  (hum... sei...posso dizer uma coisa?)
- Sure! 
  (claro!)
- You smell so good! What is that? Lotion? Perfume? 
  (você está muito cheirosa! O que é isso?  hidratante? perfume?)
- Perfume. 
  (e que perfume você usa?)
- Be Delicious, from DKNY. 
  (o Be Delicious de DKNY)
- Hum...so you're delicious? 
 (hummm...então você é deliciosa?)

(pausa dramática)

- I guess so... 
 (Eu acho que sim...) - momento muito sem graça, onde Juliana vê sua argumentação falhando.
- CAN I EAT YOU? 
 (Posso te comer?)

E assim Juliana desceu as escadas correndo, surtando, se sentindo uma maçã na feira e chegou à conclusão que falar o nome do seu perfume em inglês é um perigo, por que, se o brasileiro escuta e não traduz automaticamente, os gringos, por sua vez, usam o nome do seu perfume como "sacada genial" para um flerte rápido e objetivo.

Juliana contou a história às amigas e todas riram muito da situação. Esse sentimento de ser uma lasanha atirada aos porcos é muito comum em qualquer balada. Seja a mais refinada, seja a mais alternativa. No final seu perfume pode ser apenas um pretexto de conversa, mas também pode se transformar numa história incrível para relembrar depois. Como daquela vez, há quase 10 anos, que Juliana se apaixonou por um cara que usava 212 masculino da Carolina Herrera e muitos anos depois se apaixonou novamente por outro que usava o mesmo 212 e decidiu que só casaria com quem tivesse esse cheiro, em respeito às memórias afetivas do seu nariz. Mas isso é história pra uma mesa de bar.


* * *

Beijos, Carols

Ps: ah, o bar? o Empório, em Ipanema. :P
33 comentários on "Crônica de provador: seja deliciosa"
  1. Genial, como sempre!!!

    ResponderEliminar
  2. Genial, como sempre!

    ResponderEliminar
  3. No ruim de td a juliana ainda me fez rir com essa história k

    ResponderEliminar
  4. Hahahaha dizem que propaganda de perfume é exagerada...a do Be delicious não foi kkkk
    Amo perfume, inclusive falei dos meus filhotes dia desses lá no blog, se quiser conferir lá rs

    E eu adoraria ouvir um : you're delicious!!

    www.pobreousada.blogspot.com

    ResponderEliminar
  5. o mínimo que a DKNY deveria fazer era patrocinar teu blog a partir de agora.

    ResponderEliminar
  6. o mínimo que a DKNY deveria fazer era patrocinar teu blog a partir de agora.

    ResponderEliminar
  7. Thai9.7.13

    Eu sempre acho q essas crônicas são inspiradas em tu, Carolayne! nas tuas vivências! E é, né? ;)

    ResponderEliminar
  8. haahauahau que engraçado!!! o cara tb teve uma ótima sacada, muita fobia, mas q ele foi esperto foi! :PP

    tb tenho uma encrenca com o 212 tanto que meu namorado usa rs!

    beijoo!

    ResponderEliminar
  9. HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHA
    sensacional!!!
    muito muito bom!

    e que medoooo!!
    hahahaha
    beeeijos
    http://tastemycloset.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  10. Anónimo9.7.13

    Hahahahaha muito bom!!!!! Seus textos são envolventes, Carol! Isso é requisito básico para um livro de sucesso. Quando vai escrever (ou lançar) o seu?

    Meu namorado usa o 212 e acredita que eu não curto muito? Namoramos há mais de 5 anos, no início me dava dor de cabeça e tudo. Hoje eu até acho quase gostosinho, por causa da pele dele. Mas, friamente mesmo, não acho o melhor dos perfumes.

    Bjs,
    Gabi Elmokdisi

    ResponderEliminar
  11. Massa, como sempre Carol!
    Já assisti o filme embasado no livro "O Perfume", achei sinistro! Rs
    Beijos!

    www.chegouaminhahora.com.br

    ResponderEliminar
  12. HAHAHA Adorei! Até porque o meio cheiro é o Be Delicious!!! Sei lá, tenho uma coisa com perfume: pra mim a maioria dos cheiros são iguais, então gosto dos que dá pra perceber bem o cheiro? Tipo a maçãzinha <3
    Mas o meu acabou e tenho usado o Eternity da CK, que é eterno mesmo!!! Você vai, em pleno verão, pra balada gay, dança, sua, pula que nem uma louca e no dia seguinte você ainda sente o mardito do cheiro!!
    Bjs

    http://shoesandshows.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
  13. adorei o texto <3

    o Empório é muito amor mesmo...tanto tempo que não vou, mas tenho ótimas lembranças.

    ResponderEliminar
  14. amei o texto, são sempre muito bons!

    Adoro o Empório...tem muito tempo que não vou, mas tenho ótimas lembranças.

    bjs

    ResponderEliminar
  15. Cinthia9.7.13

    adoreiiiiiiiiiiiiii!! ficou muito boa!!! ahahahah!!! saudade ja!!!

    ResponderEliminar
  16. Anónimo9.7.13

    pelo que vejo de Frida no seu blog, acho que vc vai gostar desses acessórios
    http://www.tanlup.com/store/18491/romantica

    ResponderEliminar
  17. e se pensar no que um "eat you" quer dizer pra um gringo... hahahaha

    arrasou juli... digo, carol :)

    ResponderEliminar
  18. Anónimo10.7.13

    Muito bom Carol, como sempre. Beijos

    ResponderEliminar
  19. Deu vontade de trocar de roupa, ir no bar e Be delicious! hahaha

    Beijos

    PS: Acho que teria respondido:
    "I'm the kind of girl that guys can't eat with the hands and I think you don't have the necessary cutlery..." Porque bora combinar que ele não teve nem um tikin de tato! hahahaha

    ResponderEliminar
  20. kkk
    gente eu juro que dei risada nem sei se era pra rir viu rsrs

    bjos
    kammy
    Comer, Blogar, Amar

    ResponderEliminar
  21. Ótima crônica!! Rs.

    ResponderEliminar
  22. Evelyn M.10.7.13

    Adoreiiiiii! Fiquei curiosa para sentir o cheiro desse perfume.

    Bjos

    ResponderEliminar
  23. hahahahahaha adorei!
    E saquei na hora que era o Empório! rs

    Sou fã do Be Delicious! :)

    ResponderEliminar
  24. Arrasando como sempre juliana... OPS, Carols! rsrs.

    Amo teu blog, teus textos, teus looks.. Acompanho já faz uns dois aninhos! Amo de paixão, e confiro TODO dia! Amo amar você! Rss

    netomarqs.blogspot.com/

    Beijos,

    Neto.

    ResponderEliminar
  25. Obrigada Juliana. hahahahhahahaha
    ri horrores.

    ResponderEliminar
  26. Carol de Deus!!!! Ri muito dessa aventura, estou curiosíssima pra sentir o cheiro desse perfume. Ah, e fala pra Juliana que talvez seja hora de respirar novos ares, trocar o 212 por um Versace (Blue Jeans) talvez... torço um montão por ela, viu? (:

    ResponderEliminar
  27. Anónimo11.7.13

    Engraçado, sou uma apaixonada por perfumes (tenho exatos 98 filhos :) nunca deixo chegar em 100 pq ai é patológico rsrsrrsrs )e nunca imaginei vc com Be Delicious, nem com o Light Blue. Imaginava vc com perfume mais marcante e envolvente... vc pra mim nunca será uma mulher de Light Blue (mesmo tendo este espírito de praia)rsrsrrs
    Bjos
    Roberta

    ResponderEliminar
  28. Anónimo12.7.13

    Carolina, que texto otimo...tens uma boa narrativa.

    ResponderEliminar
  29. Genial, Carols. Engraçado e bem narrado!

    ResponderEliminar
  30. Consegui ler a crônica até a metade pensando numa mocinha Juliana qualquer. Mas quando li "bolsa de franja", sua carinha pipocou sobre o pescoço da minha atriz e me perseguiu até o final...

    ResponderEliminar
  31. Consegui ler a crônica até a metade pensando numa mocinha Juliana qualquer. Mas quando li "bolsa de franja", sua carinha pipocou sobre o pescoço da minha atriz e me perseguiu até o final...

    ResponderEliminar
  32. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk adoreiii!!!!

    ResponderEliminar

Auto Post Signature

Auto Post  Signature