Um diário de vida, viagens e estilo.

Crônica de Provador

23 maio 2013

------------------- • • • -------------------

Mariana é o nome fictício, de um personagem fictício. 
A crônica, fictícia, é totalmente inventada, baseada em fatos irreais 
da vida fictícia de uma louca consumista. Cenas meramente ilustrativas. 
Mas a ficção se alimenta da realidade, pelo que dizem. 

------------------- • • • -------------------

É mais do que notório que Mariana tem problemas sérios com sua compulsão. Mal entra num shopping, apressa seu passo e corre em direção às lojas que oferecem a maior quantidade possível de produtos, pelos menores preços. As condições de juros e parcelamentos dos cartões palpitam no seu inconsciente e aliviam a culpa do consumo. Uma média recorde de 5 lojas pode ser facilmente explorada, no espaço de 60 minutos. 

Seus olhinhos frenéticos percorrem as araras a uma velocidade fascinante. Nada escapa às suas pupilas dilatadas, atentas e tenazes, nem mesmo aquela blusinha na promoção que outra senhora pegou… e que agora Mariana reza para a senhora largar a peça. Os braços acumulam cabides de roupas diversas. Tendências, texturas, cores, modelagens, tudo misturado. Os pulmões mal respiram diante da excitação da próxima compra, o corpo inteiro retesa pelo excesso de roupas na mão. As moças da loja perseguem-na oferecendo mais um cartão. "São 10% de desconto na primeira compra, senhora." 

É quase impossível definir o que acontece no corpo de Mariana, minutos antes de entrar no provador. A moça avisa: "Só pode entrar com 9 peças, senhora." E Mariana pede, suplicando, que deixe reservadas as outras 15 para experimentar depois. Ao entrar no corredor dos provadores, se vê confrontada por 2 sentimentos antagônicos que logo aparecem no semblante do seu rosto: euforia e angústia. De um lado é invadida pela deliciosa perspectiva de rechear seu armário com roupas novinhas que, antes mesmo de acabar de serem pagas, já estarão velhas e puídas. Do outro, Mariana sente o pavor de tomar consciência que seu consumismo só pode ser uma compensação - dispendiosa! - causada pela lacuna emocional que ela ainda não conseguiu suprir na sua vida. 

O fato é que, da arara ao provador, os dois lados do cérebro de Mariana se digladiam heroicamente no intuito de subjugar as vontades do outro: o emocional exasperado pela ideia de ter todo um novo armário e com ele, quem sabe, construir uma nova Mariana para se ver ao espelho; e o racional enfurecido com a possibilidade de mais um limite de crédito estourado sem necessidade. E, enquanto os dois hemisférios se revezam na argumentação, Mariana se aproximava da cortina indiscreta do provador. 

O trajeto para o provador da loja, é um caminho sem volta, pensa Mariana. Sua única esperança - e neste momento ela percebe que deve apelar à razão - é que todas as roupas que escolheu vistam mal, tenham um péssimo caimento ou faltem um botão. De todas as preces na vida de Mariana, esta é, com certeza, a mais recorrente. É que a roupa que veste mal traz um alívio ao coração, uma redenção aos anseios, um freio nos desejos. 

Depois de entrar no provador e instalar os inúmeros cabides nos ganchinhos, depois de tentar colocar sua bolsa no minúsculo banquinho, depois de tirar a roupa que veste, em movimentos de contorcionista, sem que sua calcinha furada possa ser espreitada pela fresta daquelas cortinas que nunca fecham até o fim, Mariana enfim se vê despida. 

O que Mariana sempre esquece é que, fazer prece, é ser bem atendida. Nenhuma mulher precisa de roupa mal feita, ou reza bem sucedida para desistir de uma compra. Espelho e luz de provador têm um argumento especial pra fazer essa magia: que outro lugar do mundo Mariana poderia se ver refletida com tantas celulites, varizes e estrias? 

 -------------  • • • Fim • • • -------------

texto: Carol Burgo
27 comentários on "Crônica de Provador"
  1. Anónimo23.5.13

    Mariana, "tamo junta"!

    Cris

    ResponderEliminar
  2. Anónimo23.5.13

    Toca aí colega! o/

    beijo Flávia

    ResponderEliminar
  3. Amei o ritmo. Acho que é o seu texto favorito meu. Parabéns.

    ResponderEliminar
  4. Amei o ritmo. Acho que é o seu texto favorito meu. Parabéns.

    ResponderEliminar
  5. Mariana é meio eu...kkkkkkkkkkkkk
    amei!bjo
    http://blogdamirellasousa.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
  6. Mariana23.5.13

    De uma Mariana para outra: "Estamos, na angústia e aflição, juntas parceira!"

    ResponderEliminar
  7. Rs Rsrs Ficamos agoniadas com a cortina que não fecha até o fim. Damos graças a Deus quando a roupa não cai bem. E CHATEADAS com a iluminação e o espelho que nos diz sem mentira a verdade do corpo, da cabeça aos pés. Hahaha

    Seu texto muito divertido. Pura realidade.

    Posta mais textos, estava/ estou com saudade das suas escritas.

    Beijo

    ResponderEliminar
  8. Anónimo23.5.13

    Carol, vc não existe...hahahhahhaah Mas a Marina existe, pelo menos em mim...Perfeita como sempre.

    ResponderEliminar
  9. Eu tinha um sentimento físico de ansiedade e exaustão quando fazia compras. Euforia e depois culpa por ter gastado tanto. Agora fiz uma total reeducação. Compro uma peça boa por mês, mesmo que um pouco mais cara, mas durável. Evito ao máximo comprar nas ceas da vida, que são tipo fast food: gostoso, rápido, barato e um veneno pro corpo. Nesse caso, pro bolso.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo23.5.13

      eu acrescentaria: gostoso, rápido, barato e que te deixa com depressão pós-prato, ou melhor, pós-compra.

      Eliminar
  10. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  11. Anónimo23.5.13

    Simplesmente perfeito o seu texto!

    ResponderEliminar
  12. Anónimo23.5.13

    eu sabia que tinha alguem me olhando pela fresta da cortina ! era vc ! rsrsrsrsrsr

    hoje sou mais uma Mariana :)

    ResponderEliminar
  13. Incrível, Carol!!!
    Estava com saudade dos seus textos.

    Bj:*

    ResponderEliminar
  14. FATO! FATO!! FATO!!!

    Amei o texto Carol!!!!

    Bjos

    ResponderEliminar
  15. FATO! FATO!! FATO!!!

    Amei seu texto Carol!!!!

    Bjosss

    ResponderEliminar
  16. FATO! FATO!! FATO!!!

    Amei o texto Carol!!!!

    Bjos

    ResponderEliminar
  17. Como vc me descreveu tão bem você nem me conheçe e cada visita ao seu blog eu te admiro mais e mais , mais estou espantada com tantas coencidencias ñ só pelo nome tbm me chamo Mariana mais por tudo que sinto quando compro é horrivel e maravilhoso ao mesmo tempo confesso estou assustada e ao mesmo tempo feliz em saber q ñ sou a única nesse marremoto de emoções q comprar compulsivamente faz com agente.

    Beijos linda

    ResponderEliminar
  18. Anónimo24.5.13

    Estamos diante de uma pequena grande escritora, maravilhoso seu texto!
    Escreve um livro Carolzita!
    bjs,
    Marah

    ResponderEliminar
  19. Anónimo24.5.13

    Parabéns, Carol! Eu compraria fácil um livro seu. Adoro esse tipo de leitura! Não há lugar no mundo onde eu veja mais estrias e celulites como em provadores.

    Beijos,
    Gabi Elmokdisi

    ResponderEliminar
  20. Pelo visto toda mulher tem muita coisa em comum mesmo. Cheguei até a ler meu nome no lugar do de Mariana. Beijinho!

    ResponderEliminar
  21. Carol, escreve mais no seu blog de textos! Eu ou apaixonada pela sua maneira de escrever, de ver o mundo, de expor seus pensamentos. Você tem poesia.

    Beijo

    ResponderEliminar
  22. Anónimo27.5.13

    Como Mariana tbm preciso encontrar a mim mesma sem "armaduras", "máscaras" e sem dívidas no cartão rs

    bjo

    ResponderEliminar
  23. Me identifico! kkkkkkkk
    Bjs

    ResponderEliminar
  24. Mariana L.29.5.13

    Essa Mariana sou eu, Carol. Uma descrição, incrível! Parabéns pelo texto tão simples, bem escrito e que nos prende :)

    ResponderEliminar
  25. Muito boa a crônica, Carol! Também compraria fácil...um livro de crônicas seu! Invista!

    ResponderEliminar

Auto Post Signature

Auto Post  Signature