na minha estante / a carioca

13:34

Esta semana li, em apenas um dia, o livro A Carioca, escrito por Renata Abranchs e Tiago Petrik, editores do RioETC, um dos meus blogs preferidos de streetstyle. O livro é um "manual" da carioquice que resume, breve e superficialmente, o estilo de vestir e de viver da carioca. Confesso que não é o tipo de leitura que eu mais amo na vida, mas as dicas do livro são bem legais para quem quer abraçar a cidade e passear por aqui. O Rio de Janeiro tem uma energia diferente que, pra mim, emana da natureza incrível que invade nossos olhos o tempo todo. A cidade transpira liberdade.


Eu não sou carioca. Fato. Por mais que eu me encaixe no ritmo da cidade, por mais que meu estilo tenha encontrado um novo rumo desde que cheguei ao Rio, meu sotaque continua sendo pernambucano, eu continuo falando "oxe" e "massa" e não consigo falar "djinheiro". Continuo sentindo falta de tomar caldinho de feijão na praia e odeio chá matte e biscoito Globo. Mas amo samba, praia, showzinho, natureza e caipiroska, então presumo que esta cidade é perfeita pra mim. 

Como uma não-carioca eu sei que este livro é um retrato da carioca pelo ponto de vista único e exclusivo de cariocas. Então é claro que eu achei toda a carioquice carregada de uma certa romantização do espírito de quem nasce na cidade maravilhosa. Para explicar melhor meu ponto de vista, é tipo assim: digamos que a imagem da garota carioca sangue bom é aquela que veste Farm e usa pouca maquiagem. Mas na real mesmo, eu vejo muito mais gente de calça jeans e camiseta andando pela rua. hahahahahaha #realidades

O livro vende um jeito carioca que é a forma como o carioca se comporta com outros cariocas. Mas eu compreendo que, em livro nenhum sobre o Rio de Janeiro, algum carioca vai falar do mau atendimento absurdo que se encontra em 80% dos serviços no Rio de Janeiro, ou de como a maioria desses atendimentos são feitos com má vontade e ainda como essa má vontade triplica quando o carioca percebe que seu sotaque é... NORDESTINO. Gente, é ridículo pensar que, em pleno século 21, exista esse tipo de preconceito cafona. #pelamordedeus!

Claro que não são todos os cariocas (óbvioooo!), mas eu já ouvi cada coisa tão surreal/nojenta/preconceituosa por conta do meu sotaque, que me senti meio traída por essa imagem da carioquice-gente-boa que é tão disseminada. (um exemplo? "Nossa, você é até bem bonitinha, pra ser uma paraíba.") Pasmem. No Rio só convivo com gente de outros estados: cearenses, paraibanos, brasilienses, baianos, paulistas (e 2 cariocas kkkkk)... e por isso eu acredito que o livro é lindo, é massa, é maravilhoso, mas é uma estereotipagem meio idealizada do carioca. Contudo, as dicas são bem legais e vale muito a pena anotar num caderninho os futuros roteiros!

Senti falta de conhecer "mais profundamente" a carioquice. Expressões, opiniões, personalidades e comportamentos humanos, mais do que os lugares que os cariocas frequentam. Achava que o livro teria uma abordagem mais antropológica/histórica (cof cof cof), mais abrangente e profunda do que um simples guia de lojas, baladas, salões e restaurantes. Talvez a proposta do livro seja a de uma narrativa leve e descomprometida e eu criei uma expectativa equivocada. Entendem? O livro chama-se A Carioca e eu realmente queria conhecer a carioca de verdade. Apresentem-se! :P kkkkkkk

Beijos, Carols

You Might Also Like

74 comentários

  1. Me interessei pelo RioETC quando conheci, por ser o primeiro blog de estilo de rua brasileiro que vi - acho que é o único que vi, na verdade. Mas depois de ver vários posts vi que ele era bem voltado pra galera da zona sul, e as pessoas retratadas sempre pareciam ter vindo do mesmo lugar pra mim. Achava alguns looks lindos, mas não via diferença nas pessoas...
    Quando vi que tinham lançado o livro até me interessei, mas depois pensei que retrataria o mesmo tipo de pessoa que o blog retrata, e pelos seus comentários vi que estava certa.

    O Rio é muito mais que isso! Tem muita coisa ruim e muita coisa boa, e com certeza não é só zona sul!

    Desculpa pelo comentário gigante dessa macaense que já morou no Flamengo, mas agora mora na Tijuca e encontrou seu bairro de coração. :)

    PS: Que comentário mega-preconceituoso esse do "até que bonitinha pruma paraíba"! Como que ainda tem gente que pensa assim??

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É Joyce!! amo o blog Rio ETC, entro todos os dias por que amo o estilo do povo, mas em relação do livro, os próprios autores avisam que as dicas são da zona sul, basicamente. Não que eu ache ruim, claro, por que eu moro em Botafogo então pra mim foi massa descobrir um monte de lugares pra ir, mas o que me "incomodou" mesmo foi esse retrato da carioquice que eu raramente encontro. Sei lá. Em diversas situações aqui no Rio conheci cariocas que não são da zona sul e se enquadram muito mais nesse perfil de gente-boa. Enfim, foi a minha experiência né? Outras pessoas podem ter experiências bem diferentes e incríveis, mas eu tive umas bem bizarras! kkkkkkk esse comentário é só um dos vários que eu já ouvi. E te digo mais: TODOS os amigos nordestinos que tenho aqui no Rio têm alguma história de preconceito pra contar. TODOS. E isso é foda. :/

      Mas vc acredita que eu já pensei em me mudar pra Tijuca??? adorei o bairro tb! :D

      beijosss

      Eliminar
    2. Seu sotaque é lindo carol... sou carioca da gema (moro no suburbio) e amo o sotaque dos nordestinos. Adoro a zona sul, mais pela parte cultural e pq infelizmente essas coisas só se concentram nessa area da cidade. Mas infelizmente tem cariocas que só vivem o seu mundinho colorido e que acabam manchando nossa beleza de cidade com seus preconceitos.
      Adoro seus looks, seus desenhos e seu blog... se eu me esbarrar com vc nessa cidade, com certeza vou te parabenizar!

      Eliminar
  2. sou carioca mas não sou da zona sul e sempre me incomodo com essa visão que as pessoas têm do Rio e dos cariocas. Porque a grande maioria dos cariocas mora bem longe da praia e não têm nada de parecido com essa imagem divulgada pelo Brasil...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. exato! presumo que as pessoas aqui se sentem como o brasileiro em geral se sente quando, lá fora, o Brasil é visto como um país que só tem bunda, caipirinha e carnaval, né? Quando todo mundo é tão mais que isso. :)

      Eliminar
    2. E o preconceito infelizmente é muito maior na zona sul, até com os cariocas que não são da Zona Sul. Como todo lugar o Rio também tem coisas ruins :( Mas mesmo assim, depois de morar anos em Cuiabá e agora morando no México, não vejo a hora de voltar pra Cidade Maravilhosa!
      Ah... Como quase nunca comento, parabéns pelo blog, está melhor a cada dia :D

      Eliminar
  3. Vc viu a Alma encantadora das praias? Tô curiosa! Beijos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não vi ainda, mas tb estou curiosa!!!! :D

      Bjssss

      Eliminar
  4. Engraçado que já aconteceu muito comigo de as pessoas comentarem exatamente a mesma coisa quando descobrem que sou paraibana: primeiro que sou branca demais pra alguém que mora na Paraíba e principalmente que sou até bonitinha pra uma "paraíba". É bem chato, mas aí você lembra que você mesmo anda carregado de estereótipos. Legal é se desnudar desses "pré-conceitos" e conhecer as pessoas de verdade. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É isso mesmo Isabela! O bom é conhecer as pessoas e não os tipos. Todo mundo tem uma experiência diferente que faz a gente criar certos conceitos sobre o povo de determinada região e aí a gente tem que se virar pra não deixar isso atrapalhar a convivência! Heheheeheh felizmente eu não dou importância à ignorância alheia, mas que isso deixa o Rio menos maravilhoso, isso sim. Muitas vezes as pessoas não fazem jus à beleza da cidade, mas isso serve para qualquer lugar do mundo!!! :)

      Bjssss

      Eliminar
  5. Carol, fiquei impressionada essa história do preconceito e do mau atendimento... Não consegui perceber isso no tempo que passei lá. Fui muito bem recebida em todos os lugares por que passei, achei até as pessoas muito simpáticas e em momento algum me senti discriminada por ser nordestina. Senti muito isso quando morei em BH por um tempo. Mas pelo visto é uma coisa que acontece não só no Rio, nem em BH mas no centro sul em geral. É uma pena. Essa visão é tão pequena, tão retrógrada... é lamentável.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meninaaaaa eu NUNCA tinha escutado essas barbaridades aqui no Rio quando eu vinha de férias. Sempre fui bem recebida e achava todo mundo ótimo. Mas quando vim morar comecei a passar por umas coisas bem ridiculas...aí fiquei de pé atrás. Hoje eu não tenho mais a visão idealizada do carioca. Mas tb é uma questão de identificação né? Cariocas e pernambucanos são mto diferentes e a barreira cultural às vezes cria situações estranhas....mas obviamente nenhuma que justifique o preconceito! :D

      Bjsss

      Eliminar
    2. Hannah13.3.13

      Eu concordo totalmente c vc Carol. Sou de Manaus e costumava passar minha férias aqui no Rio e encantada resolvi fazer pós aqui, confesso que descobri exatamente as mesma coisas que vc descreveu acima. Fiquei tão decepcionada que quis ir embora, mas jamais largo um objetivo pela metade, e to por aqui na cidade "desepero" hahahaha

      Eliminar
  6. Anónimo10.2.13

    eu visitei o Rio uma única vez, e percebi sim e má vontade e o tratamento grosseiro dos cariocas, fui em uma pizzaria, passamos 10 minutos em pé até q alguém lá dentro gritava alguém pra nos atender, quando enfim essa pessoa chegou, foi de uma grosseria tão grande, como se a presençado cliente tivesse incomodando!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo11.2.13

      "como se a presençado" oi?!

      Eliminar
  7. Agora a visão de uma menina que só ouve falar do Rio por filmes, blogs e sites.
    Amo o estilo "cariocano" que a Rioetc retrata no blog deles. Não sabia que a maioria não é assim!
    Amo o clima (digo das pessoas) que moram no Rio. Não sabia desse lado obscuro de má educação e preconceito!
    A única coisa que houvi falar de diferente é que a galera da zona sul é mais narizinho em pé, podemos ver isso até nas novelas. É real, se sentem superior?

    É por isso que eu digo, nunca se deve tirar conclusões precipitadas. Agora quando eu for conhecer a cidade maravilhosa, vou com os olhos mais abertos, e não com o estereotipo que tentam passar em filmes, novelas, livros, blogs e etc. :D

    Valeu Carolzinha por me "contar a verdade".

    Beeijão, Evylin

    Ps.: Ah... sou do interior de São Paulo, 40 minutos + ou -.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo11.2.13

      "houvi falar" oi?!

      Eliminar
  8. Oi Carol! Esses dias a vizinha mineira do meu namorado soltou uma pérola "Você é bonita. É difícil ver uma baianinha bonita"... engoli seco pra não retribuir com falta de educação, mas já aprendi na pele que esse negócio de preconceito com os nordestinos tá quase mais pra regra do que pra exceção aí no sudeste. Lamentável. Isso me faz ter menos vontade de sair da Bahia.

    Beijão! :D

    ResponderEliminar
  9. Carol, nem sei se vai ler meu comentário, mas vamos lá...

    Sou carioca, meus pais são cariocas, amo o Rio, mas ao mesmo tempo eu não o amo, rs. Amo pq tenho orgulho da lindeza que a cidade é, do espirito livre que temos, da alegria, essas coisas.

    Amo o RioETC, Renata e Tiago são das pessoas mais amáveis e gente-boas que conheço na vida, mas quero opinar sobre a parte do carioca. E te digo: está certa.

    O carioca tem um jeito folgado e largado com a cidade que me irrita muito. Por ex., é carnaval, todo mundo curte, mas sou carioca e não curto algumas coisas pq acho que é muito "pão e circo", saca? A gente tira onda que vai pro bloquinho, mas a cidade não tem estrutura e a gente samba em cima de lixo e esgoto. Isso é legal onde? Desculpe, mas eu acho isso péssimo.

    Os serviços são tb horríveis. A gente implora pra ser bem atendida e lugar que tem bom preço (normalmente uma empada em qq lugar é 10 reais) e bom atendimento ganha meu coração.

    O carioca da zona sul tem preconceito com o carioca da zona norte, FATO. Eu SEMPRE morei na zona norte e SEMPRE fui vítima de preconceito. Teve uma época da minha vida que eu ia sempre pra zona sul pq minhas amigas na época não andavam na zona norte. Não sabiam vir pra cá, tinham medo, ai que a zona sul é melhor....já trabalhei em agência e escritórios de design importantes que os outros designers me olhavam torto pq eu era tijucana. Já teve dono de agencia perguntando como eu iria trabalhar lá (oi, metrô saens pena - cantagalo?).

    Hoje em dia não vou pra zona sul nem a pau, muito raro. Preguiça eterna dos preços altos, dos lugares muvucados, do péssimo atendimento. Fico com meus amigos que moram no mesmo bairro que eu, pago bem menos por um monte de coisa mais gostosa e farta, me divirto, tudo por aqui ou Centro. Uma vez uma amiga do Leblon (já coroa!) veio me visitar e parecia que estava fazendo um safári na Tijuca, ficou maravilhada com a receptividade do tijucano, churrasquinho na rua, alegria sem se gastar muito pra isso.

    Hoje encontrei uma leitora do blog num bloco, que é de BH, está há 4 meses no Rio e odiando. E descreveu tudo o q vc disse no post. Uma pena, mas a imagem do Rio que é vendida é que o carioca é aquele estereótipo da zona sul, a menina linda e rica, que vive na praia, mora em Ipanema...pois essa menina tem trejeitos completamente diferentes das meninas da zona norte - essas sim, as mais cariocas! - e sequer são descritas em livros, revistas ou raramente clicadas em sites.

    Tenho mó orgulho de ser zona norte, ser boa-praça, ajudar o turista, mostrar pra quem é de fora o Rio por completo. Mas acho que ainda precisamos aprender muito a sermos realmente legais. Fica o convite: venha pra zona norte, conhecer o carioca simplista e alegre do subúrbio! (e Tijuca é logo ali.)

    Beijos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ana...tô mais chocada ainda!!! O preconceito com quem é de fora do estado eu sempre soube, mas dentro é foda ein? Em Recife existe também zona norte e zona sul e a "rixa" é mais uma tiração de onda, nunca um preconceito, mas não sabia que aqui no Rio existia essa divisão dentro da própria cidade. Realmente a imagem vendida não corresponde ao produto entregue. O atendimento é uma coisa à parte aqui. Mas, como morei 15 anos em Portugal, vou te dizer: lá é igual. Não sabem receber os turistas nem os imigrantes. Aliás, tanto lugar do mundo é assim né, mas a angústia é maior quando a gente percebe que dentro do próprio país é desse jeito.

      Ps: estou pra me mudar pra Tijucaaaa! hahahahah será que seremos vizinhas??

      beijosss

      Eliminar
    2. Mentiraaaa! Ahahaha, aqui não tem a animação da z. sul nem a praia, mas eu gosto demais. Tudo perto, o shopping ta enchendo de marca q só tinha na z. sul, ta abrindo muito restaurante e bar (tem que conhecer a Praça Varnhagen, que é uma sequência de rua com bares um do lado dos outros!) e de taxi em 15min se chega em Ipa (fora do rush, rs).

      Não conheço Portugal e me pergunto se esse nosso jeito não é uma herança deles, será? Mas na Europa o pessoal tb não é muito chegado em atender bem, né? Ainda mais na Espanha...na França e na Alemanha eu tomei esporro, hahaha e olha q foi pq levantei o dedo pra chamar o garçom, rs.

      Pois é, sofri muito esse preconceito pq o Rio é sim uma cidade partida, principalmente pelos nossos governantes. E sobre essa coisa de paraíba, infelizmente é um termo preconceituoso arraigado que nós temos, como explicaram lá embaixo, por conta da migração nordestina num período em que a cidade ficou abandonada...em SP foram os baianos, eles chamam de "baianada". Feio, né? Tomara que as futuras gerações se dispam desses termos extremamente preconceituosos. Me dá vergonha.

      Enfim, fica o convite para um dia aqui. a Camilla tb mora aqui, né? Uma querida! beijos

      Eliminar
  10. Mooorro de vontade de conhecer o Rio, parece ser incrível! Os lugares, o sotaque que eu particularmente amo, acho tudo de bom! Esse livro parece ser ótimo, fiquei super interessa em ler, acho que ia adorar! Belo post gata

    Beijoos!
    http://simplesglamour.blogspot.com

    ResponderEliminar
  11. Carol, tô chocada que exista de verdade esse tipo de preconceito, chocada e envergonhada!

    Mas fora isso, adorei ler esse post por vários motivos. Primeiro que é uma resenha real de um livro, não um resuminho sem muita opinião. Depois porque eu sou carioca, nascida e criada a vida toda, da Zona Sul, do Leblon, nos meus 20 e poucos anos e sinto que os outros devem imaginar que uma menina assim encaixa certinho nesse estereótipo da patricinha carioca que usa Farm e vai à praia em Ipanema. E a realidade é tão, mas tão diferente disso! Eu vejo essas meninas sim, eu estudo com elas, trabalho com elas e de vez em quando até divido praia com elas, mas são tão poucas meninas que não entendo como alguém pode dizer que esse é o retrato da carioca! A verdade é que a maioria esmagadora das meninas cariocas de carioquice autêntica não tem nada a ver com esse estereótipo!

    Eu sempre acompanhei o blog dos autores do livro, o RioEtc, e ultimamente não consigo mais aceitar as besteiras que vejo por lá. Eu não sei dizer se foi o sucesso ou as parcerias publicitárias que fizeram o site mudar tanto, mas o que antes era um blog de streetstyle carioca, baseado realmente no que era especial sobre a galera do Rio, virou um showcase do estilo de vida Farm, das meninas de 20 e poucos anos que estudam na PUC, frequentam o Baixo Gávea e não têm muito conteúdo fora isso. A "mistura carioca" que todos adoram jogar como frase de efeito ficou perdida. Mas quem é daqui ou mora aqui sabe que isso é um grupo muito seleto de pessoas e não tem nada a ver com a realidade da cidade, nem sequer é o que tem de mais interessante por aqui.

    Agora todo ano o RioEtc promove um concurso da "Carioquice Autêntica" ou algo do tipo, onde eles escolhem 5 meninas desse tipo pra competirem por likes no Facebook pra ver quem é o retrato da carioca. No primeiro concurso, a ganhadora levou bolsa de estudos e tal. No último, vale-compras da Farm e outras lojas do tipo. Quando saiu o resultado, eles postaram no Facebook uma foto das 5 concorrentes e alguém comentou embaixo: "Nunca vi cariocas tão londrinas em toda a minha vida". E é isso mesmo, uma definição da carioca pra inglês ver, né.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. adoreiiii essa definição: Carioca Londrina. Na verdade é um tipo de carioca de revista mesmo, que exclui a maioria verdadeira. <3

      beijosss

      Eliminar
  12. Anónimo10.2.13

    Paulista também é difícil. Não acreditam quando digo que sou do Recife, pois sou loira, modelo, moro na Europa, tenho olhos azuis. Sou Nordestina com muito prazer. ( e curto música clássica, ai pronto, não acreditam mesmo)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. tudo é uma questão de experiência né? Eu tive a minha com os cariocas, mas com os paulistas nunca tive o que reclamar. Sempre vou a trabalho em SP e simplesmente AMOOOO o povo de lá. Sempre fui super bem recebida e acolhida e já fiz grandes amigos. Mas vejo muita gente reclamar tb. hehehehe todo mundo passa algum perrengue né?

      Beijinhosss

      Eliminar
    2. Anónimo15.2.13

      Sobre o preconceito, sou baiana de Salvador, morei 10 meses em São Paulo e nunca, NUNCA, senti preconceito de nenhuma parte! Muito pelo contrário, quando eu dizia que era baiana, todo mundo abria logo um sorrisão e perguntava o que eu estava fazendo lá naquele caos...kkkkkkk Uma vez a dona da academia disse que adorava conversar comigo pq se sentia de férias... Enfm, hoje em dia, quando alguém fala mal dos paulistas (paulistanos, mais especificamente), eu defendo com unhas e dentes! Ah, sem falar que o atendimento na cidade é geralmente muito bom! I heart SP, não pela cidade em si (estava louca pra ver o mar todos os dias de novo), mas pelo seu povo!

      Eliminar
  13. Neila Souza10.2.13

    Morei dois anos no Rio por conta do mestrado na UFF e sofri sim preconceito (sou nordestina). Essa ideia vendida do carioca sangue bom é realmente algo para o estrangeiro ver e concordo plenamente com a Letícia: nem todos da zona sul se encaixam nesse estilo farm de ser!!! Entre os vários absurdos q ouvi, como "Nossa, vc é bonita hein!mostra q sua terra tem gente bonita", o pior, mais doído foi sem dúvida o seguinte: "Ah, mas vc não vai passar no mestrado não..vc acha mesmo q vai entrar p UFF?"

    Enfim, adoro a cidade! Sempre comento q é "pecado" não conhecer o Rio, mas pecado maior é discriminar nordestino começando pela generalização de "paraíbas"! O Brasil não se resume a Rio-São Paulo e sul do país!Somos uma diversidade maior do que o que é vendido pela mídia.

    Adoro o blog!
    Bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. porraaaa, já ouvi essa tb! "mostra que sua terra tem gente bonita". affe. ainda bem que quem escuta (nós) em geral ignora esse tipo de comportamento. :D

      bjsss

      Eliminar
  14. E o joelho, como anda? Espero que bem!
    A questão é que tem que "vender" muito bem a imagem do carioca da gema, maneiro, descolado, sangue bom e que recebe o turista de braços abertos, para ele vir aqui e gastar muito dinheiro...ah, fala sério, né. O povo aqui é bem mal educado e preconceituoso mesmo, mas acho que tem disso em montes de outros lugares também, infelizmente. Essa história que vc contou de ser "paraíba" e o povo te olhar "torto" deve ser (em parte, claro) porque aqui no Rio tem um monte de "paraíba" kkkkkkkkkk que veio para cá, achando que a vida no Rio era mole, ou fácil ou sei lá mais o q e de repente foi ficando e ficando e para ser bem, sincera, enchendo um monte de favelas daqui.
    bjo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. o joelho não anda...kkkkkkk! brinks!! tá melhorando lentamente!!! vc tem toda razão! tem gente preconceituosa em todo lugar, em toda esquina. O que o "paraíba" escuta aqui no Rio é o mesmo que TODO BRASILEIRO escuta quando chega em Portugal, por exemplo. Aqui os nordestinos enchem as favelas, em Portugal os brasileiros enchem os países. E todo mundo se sente "invadido" e não gosta e tal. Mas ninguém que imigra (dentro ou fora do país) acha que a vida é mole. Na verdade muitos nordestinos vêm para o eixo Rio-SP para trabalhar pesado. O "encher" as favelas é uma consequência do custo de vida absurdo da cidade.

      beijinhosss

      Eliminar
    2. Caroline10.2.13

      Achei o comentário da Casa bla bla re etc uma pequena amostra do que é o preconceito parcialmente velado (aquele que busca uma justificativa para comportamentos injustificáveis): "encher as favelas daqui" puts. Bem elegante a sua resposta Carol. Só queria dizer que é assim mesmo sempre tem alguém que se acha superior... No Amazonas, por exemplo, os "brancos" falam que os índios e descendentes são preguiçosos e vivem das políticas assistencialistas, sendo que o preconceito e a corrupção no Estado os leva a condições de vida miseráveis. Em SP falam que a "baianada" é que é preguiçosa, sendo que os Nordestinos são os pilares daquela sociedade, literalmente.
      Não vou dizer que é um mal desse ou daquele povo, creio que é um problema do ser humano; a necessidade de autoafirmação perante o outro cega este ser hedonista e egoísta que é o homo sapiens. Agora pára pra imaginar se não é bem pior com quem não é tão branquinha ou afiladinha como as meninas que falaram aí em cima? Imagina ser nordestino e "feio" ou negro nessas cidades? Bom... cabe aos seres superiores dar uma boa gargalhada e se afastar o mais rápido possível dessas pessoas de mente microscópica, só faz mal ao coração.

      Eliminar
  15. Anónimo10.2.13

    Carol, tb sou de Recife e morei no Rio quatro anos...pra começar, me perguntaram qual era a capital de Recife (pasme, e foram pessoas bem esclarecidas). Diziam que o meu bichinho de estimação era um bode, me chamavam de paraíba, todo tipo de coisas. O carioca da zona sul é que nem paulista: chato e preconceituoso.
    E quando eles vem ao nordeste, então? Vão pras baladinhas crentes que estão abafando com o seu sotaque, e reclamam que as mulheres são feias e difíceis. Depis saem apaixonados pela beleza das praias e pela água morninha pro banho. Não troco Porto e Tamandaré por Búzios e Angra de jeito nenhum! ;) Aninha. P.S. Te leio sempre, mas quase nunca comento. P.P.S. Tem um livro bem bacana que eu ganhei de uma amiga, chamado "A Parisiense". É um guia de estilo que fala sobre Paris, da ex editora da Vogue francesa. É bem legal e deve ser mais interessante que esse da mulher carioca!

    ResponderEliminar
  16. Pelamordedeus caroles, vem pra Tijuca hahahahah. :) sou de recife, e meu namorado daqui(por isso venho bastante). Amo esse lugar, me sinto super bem, e sem frescurisse. E aqui nao é caro não :) beijo da sua fã numero 1 (haahahhahaha que bregaaa.. )

    ResponderEliminar
  17. Carol, você é uma linda e adoro seu blog, mas posso defender um tico minha cidade?
    Sou carioca, nascida e criada a vida toda na zona sul do Rio. Casada com um carioca e com dois filhos também cariocas! Há 11 anos nos mudamos para Fortaleza e nuuuunca imaginei que poderíamos sofrer tanto preconceito as inversas. Parecia que tudo era motivo para implicarem comigo: o sotaque, o jeito de vestir, a cultura e, principalmente, o por quê de ter trocado o Rio pelo Ceará? Explicava sempre com a maior paciência q havia passado em um concurso público e não fugido por ter cometido algum tipo de crime, como pareciam insinuar...
    Confesso que depois de 10 anos NÃO me acostumei. Não vou nunca me acostumar...
    Sei que o carioca pode sim, ser cruel e babaca, mas sei também que existe um montão de cariocas gente boa e sangue bom.
    Fiquei doida quando li que vc não gosta de Mate Leão e biscoito Globo. Tá louca, mulher?!!!!! kkkkkkkk Morro de saudades disso : )
    Beijos e continue acreditando no q a cidade tem de melhor, ok?!

    ResponderEliminar
  18. Com relação à questão do preconceito por conta do seu sotaque, liga não. Enquanto uns debocham, outros acham o sotaque pernambucano o mais lindo desse país, viu? Eu sou paulistana e deliro toda vez que ouço um Mundo Livre SA e tbm piro no sotaque maranhense do Zeca Baleiro.

    ResponderEliminar
  19. Olá Carol!Bem, cada um com sua experiência ne?!Eu sou mineira mas carioca de coração morei no Rio por quatro anos e simplesmente amoo o Rio e os cariocas!!! Morei em 2012 em Natal RN e lá só fui bem recebida por pessoas que não eram de lá!A minha experiência no nordeste foi péssima, as pessoas de Natal são superr preconceituosas E MUITO mal educadas com quem vem de fora, o atendimento é péssimo em qualquer lugar seja do supermercado ao órgão público!No meu primeiro dia de faculdade eu fui dar um "boa noite" e ninguém me respondeu e daí teve uma garota que perguntou para as outras: "Vocês são quem é essa daí?"(em voz alta) e as mesmas responderam que não me conheciam e a mesma falou: "Deve ser mais uma maria no mundo"...na sala de aula tinham quase 90 alunos e no final do ano apenas cinco falavam comigo =\!Enfim, cada um vai experienciar as coisas de formas diferentes, conheci nordestinos (poucos) muito acolhedores!Gente boa e gente ruim tem em todo lugar e o preconceito também!Ju

    ResponderEliminar
  20. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. eitaaa mandei mensagem a mais rs!
      PS:* quanto a pergunta que fizeram na sala de aula foi "Vocês *sabem que é essa daí?" rs!errei =D

      Eliminar
    2. PS: ops!escrevi errado rs!a pergunta era: "Vocês sabem que é essa daí??" rs!

      Eliminar
  21. Anónimo11.2.13

    Amem!!! Finalmente alguém que enxerga o Rio como é e não tem "medo" de falar.
    Concordo plenamente com vc Carol.
    Acho um saco esse "senso comum" que parece tomar posse da cabeça de muita gente em achar, erroneamente, que no Rio SO TEM gente bonita, descolada, "gente fina" e paisagens deslumbrantes.
    O Rio tem pessoas bonitas? Tem. Mas tambem tem gente feia e "normal". O Rio tem gente legal? Tem sim. Mas tbm tem muita gente chata , pedante e preconceituosa. O Rio tem paisagens bonitas??? Tem. Mas o MUNDO esta cheio de lugares lindos e encantadores. E o Rio tambem tem lugar feio . Assim como as outras cidades.
    Ta, você falou TUDO! Estou ate sem palavras. Kkkkk
    Parabéns pela "crônica" sobre o livro.
    Bjo

    Kelly

    ResponderEliminar
  22. Li uns comentários a respeito do preconceito dos nordestinos em relação aos sulistas. Preconceito existe em todo lugar, infelizmente, mas eu moro em Recife, já conheci várias pessoas que vieram do Sul e sempre os vi sendo bem tratados. Tirar onda com a cara do outro todo mundo tira, mas é tudo de uma forma descontraída. Mas cada um com sua própria experiência, né? Adoro seu blog, inclusive o de ilustração! Espero que seu joelho melhore logo, beijo.

    ResponderEliminar
  23. Anónimo12.2.13

    CAROOOOOL, sou de Recife, namoro um carioca do Leblon, e estou prestes a me mudar praí. Lembro que na primeira vez q fui ao Rio, tava passando a novela "Ti Ti Ti"... váááááárias pessoas, entre elas, amigas do meu namorado, lojistas, me pediam p repetir o nome da novela com o meu sotaque ( e não tchi tchi tchi como eles)!!! Ficava puuuuuuta!!! Sou palhaça pra fazer graça????

    Já sofri sim preconceitos, mas sou recifense (Zona Norteeee com orgulho kkk),sem frescura e gente boa, mas não consigo escutar e ficar calada.

    Beijo querida.

    Caroline F.

    ResponderEliminar
  24. Namorei já um carioca e um niteroiense. O niteroiense foi aqui em Recife mesmo, ele mora aqui faz muito tempo, então não vale tanto. Mas o carioca foi ai no RJ mesmo.
    Entre ele e alguns outros amigos que eu tenho que moram ai, nunca senti nenhum tipo de preconceito. A família da mãe dele é do Pará, o avô era cearense, então, o fato de ser pernambucana sempre foi algo bem natural pra eles. E o meu jeito, o modo que eu aprendi a ver aqui em Recife, parece que ganhou o coração de todo mundo! Quando fui para o RJ pela segunda vez, levei lembrancinha pra todo mundo. Da avó a prima. Pô, eu ia ficar uma semana na casa dele, comendo a comida dele, era aniversário da avó, a tia tinha me levado pra jantar quando eu fui da primeira vez... É um gesto comum, pelo menos para mim. Um agradecimento. Aprendi dessa maneira e conheço outras pessoas, outras amigas, que fazem a mesma coisa. Mas todo mundo ficou impressionado!
    Outra é que eles acham que Recife é só carnaval e que o povo daqui é tudo caretão. Recife ainda tem muito pensamento de pequena cidade grande sim, essa 'monarquia de coluna de joão alberto'. Mas gente, qualé! Recife é uma cidade linda, LINDA mesmo. Conheço uma cacetada de cidade do brasil e duas fora do país e ainda acho Recife de uma beleza espetacular. Lembro de ter comentado com o ex carioca sobre preconceito e ele comentou comigo que eu sofria pouco/não sofria, até por que eu não tinha a aparência estereotipada do nordestino 'comum' e sempre estava no rio para apresentar trabalhos e coisas assim.

    Pretendo me mudar pra o RJ no fim do ano para fazer seleção de mestrado na UNIRIO e na UFF. Vamos ver o que eles acham de gente 'daqui' tentando essas coisas, né?

    ResponderEliminar
  25. Ana Paula13.2.13

    Ótimo texto, Carol. Não li o livro e, na verdade, nem conhecia o blog, mas você fez uma análise perfeita do que acontece no Rio. Aliás, no Brasil. Sou paulista e estou de saco cheio dessa modinha de "Estética da Zona Sul", sabe? Quer dizer, você só é legal se curte coisas alternativas, usa roupas estranhas e faz tipo blasé. Um saco, gente! E preconceito é uó, né? Um pessoal que se julga tão legal e 'prafrentex' não pode reforçar este tipo de conduta. Ah! Também concordo que o atendimento é bem ruim em 80% dos serviços no Rio. Ser cuca fresca e levar a vida com leveza não é sinônimo de descompromisso! Uma cidade tão linda e que recebe tanta gente de fora precisa melhorar.

    ResponderEliminar
  26. Opinião de quem é de SP, já morou no RJ, hj mora em BH e passeou muito pelo Nordeste:

    Sobre o livro: além de concordar que reflete o estilo de vida da Farm, vou mais além: que liiiiiiiiixo de fotos e projeto gráfico!! Meldels! O Rioetc tem fotos que enchem os olhos e o livro é feio que dói! A Parisiense segue o mesmo caminho (eu diria que até inevitável) de criar estereótipos. Mas pelo menos é l-i-n-d-o!
    Existem muitas cariocas e muitas parisienses, minha gente! Da mesma forma que nem toda paulistana usa salto alto e é executiva!

    Sobre a cidade: atendimento ruim tem em tooodo lugar! BH é uó! Vc entra na loja de tênis (da New Order que custou mais de 600 reais) e a vendedora nem te olha! Recife? Que Carol me desculpe, mas esperar por um lanche do Mac por mais de 10 minutos é coisa COMUM! Trocaram o fast food por last food! hahahaha E SP existem duas né: a de quem tem $$ e a de quem não tem! Vai pegar metrô no Brás pra vc ver o "atendimento"!! Vai no Shopping Tatuapé!!! É fácil falar que a cidade é incrível quando a gente frequenta o Baixo Gávea, o Shopping JK e as baladas da Rua da Moeda.

    Pra fechar: eu AMO estar no Rio, na praia (acabei de voltar do carnaval. Cheguei em casa e to pondo a leitura dos blogs em dia), AMO Bh por poder fazer tudo à pé e comer pão de queijo de verdade e, por fim, AMO SP pq aqui tem TUDO! hauhauhauhaua

    PS.: me fantasiei de Frida no domingo e lembrei de vc, Carol!
    PS2: adoooro o Shopping Tatuapé pq é integrado com o metrô! E o Shopping JK pq tem Topshop!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. ahhahahahahaha adorei seu comentário!! mc donalds LAST FOOD! fantástico!!!! hahahahahahah pelo menos a batatinha é gostosa! aqui no Rio só peguei mc donalds de batata murcha e pão velho. kkkkkkkk

      eu estou AMANDO morar no Rio! acho massa a mobilidade e a quantidade de coisas pra fazer. amooooo os amigos de são paulo e amoooo o mc donalds de Recife. kkkkkkkkkkk

      todo lugar tem seus prós e contras, com ou sem livros estereotipados. tudo depende também da vivência das pessoas e no final o que conta é se o saldo é positivo ou negativo.

      tirando esses episódios ridículos de preconceito, o salto é positivíssimo!!!


      beijosssss

      Eliminar
  27. Carol, quando li o seu post pareciam as minhas palavras de quando cheguei no Rio. Sou brasiliense e moro aqui (no recreio) há 5 anos e meio. Lá em Bsb o povo é muito educado, o sistema funciona, não tem poluição sonora, visual. Mas, o que posso te dizer é que essa é a sua fase de adaptação mesmo. Quando cheguei aqui também fiquei chocada com a falta de educação e de respeito (homens não sediam seus lugares nos ônibus para mulheres, nem mesmo para as grávidas! Como assim?!!!), com a péssima qualidade no atendimento e tal. Tudo isso vai passar, vc vai começar a aceitar mais esse comportamento e daqui a pouco vai se sentir carioca de coração, haha. Eu me sinto completamente feliz aqui hoje em dia! Aqui as pessoas são mais livres, mais alegres. Não tem as tribos de Bsb que te exigem pré-requisitos para fazer parte delas.
    Bom, acho que vc ainda vai se encaixar por completo daqui a um tempo e curtir demais viver aqui! Beijosss

    P.S.: Sobre o comentário da Helô aí em cima, acredito que esse lance de presentear as pessoas seja muito mais uma questão de personalidade do que de cultura. Eu mesma tenho o hábito de presentear a todos da família do meu namô e vezes é recíproco, noutras não. Então, vai mais de cada um mesmo.

    ResponderEliminar
  28. Anónimo13.2.13

    Sou carioca, da zona norte e me senti ofendida com seu post.

    Isso porque o preconceito é um comportamento individual. De forma alguma ele pode ser associado a um comportamento de pessoas que nasceram em um lugar, em uma região... Estão aí os comentários acima, sobre ocorrências de preconceitos em várias regiões do país, com gente de diversas naturalidades, para comprovar o que estou dizendo.

    Lamento que tenha passado por essas situações de preconceito aqui. Mas não concordo com a associação discriminatória, de que isso é uma coisa do carioca. Infelizmente, existem pessoas preconceituosas em qualquer lugar. Isso não ocorreu porque a pessoa é carioca, ou sulista, ou brasileira, ou que for... isso ocorre porque a pessoa é preconceituosa e ponto.

    Associar o preconceito como sendo um comportamento típico do carioca, acaba por cair no mesmo erro ao qual o próprio post parece criticar - Preconceito Regional.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Jamais, jamais, jamais!!! Por favor não se sinta ofendida. Eu tive essa experiência pessoal aqui no Rio, mas preconceito regional existe em qualquer lugar, como você diz. Existe mesmo. Aqui, no nordeste, no sul, não importa. Passei 15 anos em Portugal e o preconceito lá é igualmente doloroso. Esse NÃO é o comportamento "típico" do carioca, mas também não é algo tão incomum, entende? Apenas observei como o carioca foi estereotipado no livro, o que me parece ser uma inverdade, por que vejo pessoas muito mais diversas do que o modelo "Farm", entende?

      A minha experiência pessoal foi apenas um comentário sobre imagem vendida versus realidade vivida. Mas muitas pessoas também comentaram que foram super bem recebidas aqui no Rio. Então cada pessoa tem uma vivência diferente, claro. Mas não acredito que o preconceito com nordestinos seja um "comportamento típico carioca" e eu deixei isso claro no meu texto.

      O texto foi realmente sobre o livro. :D

      beijinhosss

      Eliminar
  29. daniela13.2.13

    Carol, sou uma mineira morando no Rio e aplaudo suas palavras!! São preconceituosos, pedantes e acham q o mundo se resume ao Rio!! Tb tou louca pra conhecer a cariocada de havaianas no pé....bjo

    ResponderEliminar
  30. Engraçado, preconceito me choca muito profundamente e conciso enxergá-lo nas mais simples expressões cotidianas.
    Sou PARAIBANA. Não, não somos "paraíba", somos filhos de um dos estados que mais produz cultura e tecnologia do país - mas é mais fácil estereotipar o diferente a partir do que se considera ruim.
    Como paraibana, posso falar com experiência sobre preconceito e embora fiquemos bem irritados com sulistas menosprezando o nordeste, vivemos uma hipocrisia sem tamanho entre nós mesmos. Não conheço nenhum recifense que nunca tenha dito que João Pessoa é um bairro afastado de Recife. Moro em Maceió e sou chamada de Paraíba pelos alagoanos - isso é ridículo só de falar.
    A questão que você levantou a respeito do livro é bastante discutida no campo da antropologia, que é a autoimagem. Na verdade, a percepção de um 'insider' nunca será a mesma de um 'outsider'. O interessante é para nós que somos de fora e que, ao mesmo tempo, interagimos e moldamos a cidade destino, compreender como os 'nativos' se enxergam e como passaremos a conviver com eles a partir desse senso comum que varia de cidade em cidade.
    E mais legal ainda, é conhecer, abrir a cabeça, rir, olhar pros próprios erros e sempre agregar!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. aplausos, aplausos, aplausos! não sinto o termo "paraíba" como uma ofensa por ser uma referência ao estado da Paraíba e sim por que sei a carga de preconceito que colocam na expressão. Morei mais tempo em Portugal do que em Recife, então nem sabia que diziam que João Pessoa é um bairro afastado de Recife por que porra...João Pessoa é longe! kkkkkkkkkkk M

      as achei incrível a sua colocação: "O interessante é para nós que somos de fora e que, ao mesmo tempo, interagimos e moldamos a cidade destino, compreender como os 'nativos' se enxergam e como passaremos a conviver com eles a partir desse senso comum que varia de cidade em cidade." É mesmo assim que precisamos agir para conviver com as diferenças culturais! :D

      beijinhosssss

      Eliminar
    2. Anónimo14.2.13

      Poxa, moro em Recife há 17 anos (Sou do interior de PE) e nunca tinha ouvido falar que JP é um bairro do Recife!!! Já ouvi muito que é uma capital com cara de interior (um elogio!)... É como já disseram: "cada um tem sua própria experiência..."

      E sobre o preconceito, é muito real essa discriminação do pessoal do Sul e Sudeste com os Nordestinos!!! Já tive inúmeras experiências!!! Pessoais e de familiares... E eles têm uma "imagem" dos nordestinos... já ouvi várias vezes: como vc é alta? é mesmo de PE? mas assim tão branquinha? e de olhos claros???
      Desnecessário...

      Beijos Carol! Adoro o blog!!! Fica boa logo!!!

      Eliminar
  31. Carolzita, eu acabei de comentar, apertei o enter sem querer, não me identifiquei e nao tenho a mínima idéia do que acabei de escrever. #podeissoarnaldo?
    Mas, enfim, o que eu queria dizer é que o livro é um estereótipo fajuto com o qual eu, carioca nascida e criada (zona norte uhul), tbm não me identifico plenamente. Mas o livro é uma celebração de amor à cidade que eles amam e vivem...e a um estereótipo que está cada vez mais firme e que o mundo todo legitima. É um livro, de fato, romantizado. Asssim, dps q vc liberar o comentário eu volto aqui e comento novamente, de acordo com o que escrevi antes ahahaha

    ResponderEliminar
  32. Carla14.2.13

    Eu nunca comento em blog algum, mas diante desse post, não tive outra escolha. Sou carioca do Méier, zona norte, que estuda na Barra, zona oeste, namora um menino nascido e criado na Lagoa, zona sul, já frequentou muito a Lapa e subiu morro só por curiosidade. Ando por esse Rio e odeio a ideia de ficar isolada em apenas um lugar e não conhecer bem a sua própria cidade. Bem eu não sei quanto tempo vc está no Rio, mas, no início é assim mesmo vc começa a entender a cidade e seus pontos negativos, e não se assuste que não é só isso não viu, em relação ao preconceito com a zona norte e baixada isso infelizmente existe, mas o pior quando é Barra X Z. Sul é bizarro, os "riquinhos" da ZS acham que são melhores dos que os emergentes da Barra, ou até mesmo a rixa entre os bairros tanto na zona sul como na zona norte exemplo: O povo fala que botafogo, flamengo e adiante não é zona sul, ou a galera da Tijuca acha que é melhor que outros bairros da zona norte, e chegam a se intitular como a “zona sul da zona norte” e querer se comporta como a galera da zona sul, na Barra também a mesma coisa os barrenses ficam falando mal do pessoal que mora no Recreio. Aqui tem muito preconceito SIM, o carioca com um outro carioca rola isso, imagina a galera do nordeste e norte? O carioca fica de rixa com os paulistas que pra mim isso é RIDÍCULO . Essa questão de falta de educação nos atendimentos realmente é lamentável e isso se estende no trânsito, na falta de compromisso que o carioca tem, enfim é um povo bem difícil, mas também é ao mesmo tempo fácil, aqui é meio cada um no seu galho, vivendo a sua vida, ai no fim de semana vc faz a amiga de tudo e todos na maior simpatia e assim vai vivendo. Olha eu AMO o Rio pela sua paisagem linda e pelos amigos e familiares e SÓ. Eu tenho muita vergonha pra te falar a verdade, a política daqui é vergonhosa, mafiosa, suja muito roubo, o povo coitado tenho muita pena são manipulados e omissos. A elite carioca na sua maioria é alienada e não agrega em nada, aliás, a única coisa que vejo fazer é ter iniciativa pra fazer festas, boates etc. tudo muito superficial. Acho bacana vc tentar a vida aqui e espero que vc consiga alcançar seus objetivos, mas com o tempo, conhecendo outros lugares, vc vai ver que existe lugares beeem melhores pra se viver e não precisa sair do Brasil não rs, eu digo isso pq sou uma carioca que estou só esperando 2016 passar pra ver se vou ou não para o Sul, na verdade tenho quase certeza que não ficarei aqui, infelizmente não vejo grandes mudanças aqui no Rio a tendência é piorar depois das Olímpiadas, eu digo isso na questão infra estrutura e mudanças na sociedade carioca. Esse estereótipo do Rio que o povo brasileiro tem, está muito longe de ser o que realmente é, o Manuel Carlos, conhecido como maneco, escritor de novelas das 8, romantizou a zona sul e o seu tão querido Leblon, como tudo é uma jogada, a especulação mobiliária foi no mesmo embalo, aumentando o preço vertiginosamente, criando assim essa esfera na qual existe apenas no inconsciente coletivo . Veja bem não quero desestimular ninguém é apenas a minha opinião, não tenho indicação de livros que digam realmente a realidade dessa cidade e seu povo, mas acho que não há nada melhor do que as suas experiências e sua estadia aqui no Rio, tenho 23 anos e a minha visão que tenho daqui foi construída ao longo da minha vida e nas minhas viagens para fora, aliás, quanto mais vc viaja mais vc consegue enxerga o que temos de ruim e de bom . Esses livros como, A carioca, é pra quem não teve a oportunidade de viver aqui e ficou só no gostinho, passou bem rapidinho e viu esse Rio bem maquiado.
    Boa sorte pra vc aqui no Rio e no blog, acho bacana da sua parte mostrar a realidade tanto nas suas vestimentas como em sua opinião, e se precisar de um amigo carioca pra tricota estamos ai hehe.

    ResponderEliminar
  33. Engraçado que apesar de todo o “preconceito” que pintam a respeito dos Paulistanos com os Nordestinos, sempre fui muito mais bem recebida em São Paulo do que no Rio. Ainda assim, acho que isso se aplica a qualquer lugar do universo, especialmente se tratando de Brasil. Vi aí nos comentários uma moça dizendo que quando foram visitá-la na Zona Norte parecia mesmo que ia fazer um Safari. Ora, aqui no Recife acontece direto EXATAMENTE a mesma coisa comigo. Porque não moro nem na Zona Norte, nem na Zona Sul, moro na Zona Janga. E tô cansada de ouvir piadinhas preconceituosas dos meus amigos, que, a não ser no carnaval quando todo mundo ~AMAAAAA OLINDA~, no resto do ano quase ninguém se abala pra lá porque, né, é cidade ~humildje~ cheia de bairro de pobre. Dá raiva. Dá desgosto. Dá vontade de não se abalar pra parte “civilizada” da cidade também, só de desaforo. Mas aí a gente vai cair no mesmo tipo de preconceito. E vai deixar de ser legal, né não?! Esse tipo de gente é que tá perdendo uma enorme oportunidade de conhecer coisas legais. Boa sorte pra eles.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olinda é muito longe, Poli! kkkkkkkkkkkkk Mas a verdade é que, em Recife, nossas noções de distância são bem distorcidas por um único motivo: chegar a QUALQUER LUGAR é um inferno. (e eu nem sei como tu tem coragem de se abalar pra "cidade civilizada" por motivos extras ao trabalho) kkkkkkkk

      Aqui no Rio eu percebi como é muito mais fácil você se locomover. O tempo que eu levo para sair da zona sul do Rio até a Barra de TRANSPORTE PÚBLICO com trânsito (que são uns 25 km) é menor que de Boa Viagem para a Zona Norte (que são 12km) DE CARRO. Então pra quem é da zona sul de Recife, ir pra Olinda é quase impensável e olha que são só uns 20km de nada. Além da violência que deixa a gente neurótica com aqueles flanelinhas cheios de crack na cabeça em CADA SEMÁFORO. Isso pra mim era motivo mais que suficiente pra não querer nem ir na zona norte, quanto mais em Olinda.

      Essa justificativa de não ir a Olinda por que tem bairro pobre é furada. Boa Viagem é uma favela gigante com prédios luxuosos dentro. Aliás, Recife inteira é uma grande favela em linha reta da américa latina né? hahahaha Se fosse por isso ninguém iria na Caxangá, na Av. Recife nem em Piedade. Eu mesma relutava em visitar minha avó no Barro, com medo de sair de lá de noite e vir pra casa TORANDO UM AÇO. Eu, como moradora de Boa Viagem, nunca ia a Olinda pelos inconvenientes do caminho, o que é uma pena, por que Olinda não tem esse nome à toa. É linda pra CACETE.

      beijossss, gata garota olindense sensual!

      Eliminar
    2. Má, má, mááááá, tu que pensa que é furada, mulheeer!

      Já marquei aniversário nas Olinda que o povo chegou e foi logo embora porque as pessoas do lugar eram ~muito esquisitas~ (gente que frequenta Olinda no dia-a-dia é bem diferente de gente que frequenta no Carnaval).

      Boa Viagem é uma favela gigante com prédios gigantes dentro, mas as pessoas SÓ ANDAM ENTRE OS PRÉDIOS GIGANTES HAAHAHAHAHA! Nesse caso, a interação é por uma obrigatoriedade geográfica, não por opção.

      E (eu acho) que se da mesma forma que a dificuldade das pessoas se locomoverem aqui facilita a não interação entre Zona Norte e Olinda, por exemplo, toda a ~facilidade~de se locomover aí no Rio também não impede que as pessoas da Zona Sul sintam-se relutantes a “se misturar” com as da Zona Norte. Não é apenas a questão da distância, ou do trânsito. É social mesmo.

      Tanto é que na última festinha que eu fiz lá em casa e que os meus amigos foram, pela primeira vez, depois de anos de amizade, a frase que eu mais ouvi foi:
      “Nossa, nem é tão longe assim!”
      Seguida é claro de: “Num é tenso (perigoso) aqui não?”

      A minha mãe trabalhou a vida toda na Caxangá, e as amigas de lá frequentavam mais o Janga que as de Boa Viagem, ZN e pá. Assim como a gente sempre saiu pra todo os lugares, civilizados ou não, de boua na lagoa com tanto medo dos sinais de boa viagem, como dos da zona norte, como dos do Janga porque perigo tem em qualquer lugar. Eu mesma tenho um medinho danado dos metrôs aí no Rio.

      O “pré-conceito” tá mais enraizado e disfarçado do que parece, pow. No Rio, em São Paulo e aqui também.

      E Olinda é linda pra cacete lá na cidade alta. Vai pra baixo pra tu ver, fia. Rio Doce, Jardim Atlântico, Janga e afins num fazem jus ao nome não. Haha!

      Eliminar
  34. Em todo canto tem preconceito sim, mas tem lugares em que o preconceito é mais latente, mais corrente e comum. É o caso do Rio. Amo a cidade, acho linda, cidade maravilhosa mesmo, mas, infelizmente, o carioca, comumente, tem atitude preconceituosa sim. E isso já é conhecido e falado, não foi Carol que descobriu a pólvora! rsrsrs Eu sou filha de militar, paraense e no Quartel os cariocas são conhecidos como preconceituosos e metidos a espertos, mas que sempre se dão mal!! Tem qualidades boas, ah, tem sim, claro. Mas aqui estamos falando do mais comum. Apesar disso, continuo frequentando o Rio, até porque hoje moramos em Rezende. bjs

    ResponderEliminar
  35. Toda a minha vida, durante as férias, eu fui e vou ao Rio, que minha família é toda de lá, exceto eu que sou de Londrina, norrrrte do Paraná. Acho o Rio lindo, cheio de coisas pra ver. Uma parte da minha família, a que eu tenho mais proximidade, mora na zona norte, Grajaú (lindo, lindo) e Bonsucesso. Outra mora em Copacabana, mas nunca fico por lá. Eu adorava o Rioetc, e como turista eterna fui esse ano querendo ver aquele povo estiloso, andando de bike pela orla, praias, Farm, etc. Daí passeando com minha madrinha perguntei onde tava o pessoal de bike e tal e ela perguntou se eu tava loca, que no Rio ninguém anda de bike não (e eu acredito pq as pessoas dirigem de um jeito mto estranho, existe a comunicação entre os motoristas, mas as vezes parece que todo mundo quer entrar na mesma rua, e vindo de todas as direções possíveis, sem contar as ladeiras né). Mostrei o site do Rioetc pra ela e então ela me explicou as diferenças entre Zona Norte, Zona Sul e mais a Barra (ngm parece gostar muito do povo da Barra hahaha). Mas eu não achei ruim, nem mesmo estranho. Achei inclusive interessante e normal. O Rio é todo heterogêneo, em um mesmo bairro você vê construções totalmente diferentes uma da outra, parece até que vc tá em outra cidade. E a diferença entre as regiões do Rio eu acho que só enriquecem a cidade, pq em um lugar vc toma chopp na padoca, compra um caldo do tio da calçada, vive aquele Rio mais simples e aconchegante, onde você se sente em casa e todo mundo vira amigo, estilo cidadezinha de interior e no outro você pode conhecer pessoas estilosas, um pouco mais refinadas (e não tem problema algum não ser refinado, que eu também não sou), a parte cosmopolita, há aquelas badalações mais elaboradas que um passeio é um show a parte. Londrina que é uma cidade média, não chega perto do tamanho do Rio, há essas diferenças entre as regiões que são visíveis até no jeito de falar. Eu acho que quem é da zona norte não precisa se sentir denegrido quando alguém da zona sul faz algum comentário maldoso. Se você gosta do seu bairro você vai simplesmente rir da cara da outra pessoa que não sabe do que está falando. Eu sou do interior do Paraná e já ouvi bobagem demais de paulistas e paulistanos por me considerarem caipira e ignorante das tecnologias porque no Paraná supostamente só tem fazenda, e minha experiencia foi pior ainda em Natal, onde morei por um breve período, onde as pessoas ignoravam totalmente a existência dos estados do Paraná e Santa Catarina e insistiam em dizer que eu era de São Paulo ou me chamar de gaúcha (se nordestino é generalizado em paraíba ou baiano, parece que de são paulo pra baixo vira tudo um estado só também...). Em Natal conseguiram fazer eu me sentir mal por eu ser do "sul maravilha", como chamavam lá na escola, porque o preconceito vinha dos meus professores. Já no Rio eu não precisei aguentar mais q algumas piadinhas em relação a pronúncia do meu R, que logo parava porque eles chegavam a conclusão que era bem bonitinho. Gosto de ir ao Rio porque todo lugar que eu vou as pessoas me recebem com um sorriso e são muito simpáticas, tirando os malas que decidem virar caricaturas do esteriótipo carioca malandro experto, mas desses eu conheci tão poucos que até ignoro. Mas o que eu quis dizer com essa ladainha toda é que o Rio é lindo de Norte a Sul, e se o Rioetc tá aí mostrando a região que eles conhecem eu digo que quero ver mais, quero ver a zona norte pelos olhos de quem é de lá, a galera interessante que come churrasquinho na calçada, ouve samba e anda de havaianas (pq todo mundo sabe que no Rio, salto alto e roupa preta não funciona, vide calçadas as vezes inexistentes e calor de 40°). Galera do Grajáu, Vila Isabel, Tijuca (etc etc etc) MOSTRA TUA CARA!

    ResponderEliminar
  36. Carol, sua linda, ADOREI teu texto!

    O que foram todos esses cometários, esse blog é muito show! Mas gente, esse lance de pedir para o "visitante com sotaque MEGA diferente ficar repetindo "tititi" é mais engraçado por ser fofo do que preconceito, eu sou gaúcha de Porto Alegre, não bastando o sotaque gaúcho, falo super portoalegrês, mais conhecido popularmente como sotaque "magro do bonfa" (bonfa = bairro Bom Fim), trabalho há alguns anos em prestadora de serviços e vários clientes de fora do estado e até extrangeiros curtem e/ou "folgam" no nosso jeito de falaR, tipo os Rs mega entoados, nada como no Rio que se ouve o R arrastado como em "pórrrrrta", enfim, não fico p, rio junto, é engraçado assim como é para nós, por exemplo, a xuxa falar mega carioquês e meio que desprezar ao carregar no sotaque de sua terra é bizarro. Os paulistas são os mais folgados, chegam com o sotaque "meu", "friiiio" dizendo que não têm sotaque e ficam pedindo para falarmos várias palavras o tempo todo, tipo guria, e nossos diminutivos, super, churras, ceva, cine, etc, descer a loma, cuidado com a lombada, etc. Sem contar nosso jeito meio grosso de falar, que apesar de não ser muito bonito, faz parte do nosso orgulho de ser gaúcho, tchê! kkkk
    Em qualquer parte as diferenças chamam atenção, quando saio do estado, me chamam de gauchinha ou gauchona, depende do ponto de vista e terra natal do guri (rs). Enfim, concordo em nos divertirmos e aproveitarmos o que há de melhor nisso tudo, e que de um modo geral, principalmente a cidade maravilhosa deveria estar mais bem preparada para a receber a copa...assim como o resto do país,incluindo minha amada terrinha.

    Bjs guria, fica com Deus e cuida bem desse joelho hein! Sou solidária pois sei bem o que está passando...

    ResponderEliminar
  37. Em todo canto tem preconceito mesmo, conheço gente que já fingiu sotaque pra não ser maltratado... Já ouvi brincadeirinhas do tipo "ah vc é de RÉcife, vc mora numa casinha de sapé?" ou "ei baiana vem cá". É muito triste e revoltante sofrer preconceito no seu país, já basta todo o preconceito que outros países têm da gente, vc sofrer esse tipo de tratamento pelos seus conterrâneos é foda! afinal, somos ou não somos todos brasileiros? somos ou não somos TODOS descendentes de índios, negros, europeus? Estamos todos juntos ou não nessa bagaça de país que eu amo demais?? hahaha

    beijinhos Carol e parabéns pelo blog!

    ResponderEliminar
  38. Anónimo15.2.13

    Oi Carol, adoro seu blog, mas nunca comentei.
    Sou de Curitiba/PR, e estive no Rio ano passado.
    Achei a cidade linda, maravilhosa, os pontos turísticos são fantásticos, mas sinceramente, esperava muito mais dos cariocas.
    Fui super mal atendida em todos os lugares que fui, só andava de ônibus ai, e os motoristas e cobradores sempre respondiam com cara feia.
    Como sou Curitibana e sempre ouvi falar mal do povo daqui, que somos antipáticos, eu achava que ia chegar no Rio e todo mundo falava com todo mundo, que o povo era sempre simpático, não vi nada disso.
    Curitibano pode ser antipático, mas pelo menos acho que é mais educado que Carioca.
    Mas mesmo assim, se me perguntam, se voltaria para o Rio? Com certeza! "O Rio de Janeiro continua lindo!!!"

    ResponderEliminar
  39. Carol sua linda.
    A gente sabe que em qq lugar tem preconceito né? Contudo saiba que como carioca da gema, te recebo no Rio como o Cristo, de braços abertos!
    Na verdade o espírito de carioca é pra mim este texto de Millor Fernandes, dá uma olhada: http://www.releituras.com/millor_carioca.asp
    "Ser Carioca é... Começar alguma conversa com o usual "olha só..."
    Tratar tanto homens quanto mulheres de "cara" sem que isso seja considerado afronta...Falar com o "R" arrastado e com o "S" com som de "X" e exagerar ainda mais quando está perto de paulistas;
    Aplaudir o pôr-do-sol no posto 9;
    Comer na Pizzaria Guanabara depois da night
    Ficar feliz com o horário de verão começa, porque isso significa uma hora a mais na praia
    Sair no bloco do Suvaco e no Simpatia é quase amor
    Ir à praia sempre no mesmo lugar
    Acampar na Ilha Grande pelo menos uma vez na vida
    Passar horas na academia, nem que seja fazendo social
    Ter amigos no condomínio onde mora
    Ter amigos na academia onde malha
    Fazer amigos na praia
    Estar sempre perto de uma favela
    E principalmente amar e respeitar muito esta cidade porque, mesmo com todos os seus problemas, ela é a Cidade Maravilhosa!!!

    Bjocas

    ResponderEliminar
  40. Não li o livro, mas por acompanhar os blogs da FARM e do Rio Etc, acredito que a imagem de carioca deles seja mesmo esteriotipada e romantizada, da carioca que usa farm, que está sempre na praia, bronzeada e que as vezes parece não viver na mesma cidade que eu rsrsrsr.

    ResponderEliminar
  41. Paulinha15.2.13

    Carol!
    Espero que o joelho esteja melhorando! adoro seu blog, sempre leio e raramente comento, mas como o assunto é polemico me senti tentada a comentar rs. Tenho uma visao neutra nesse quesito, acredito eu, pois sou do interior do Rio e ja morei no Rio por cinco anos, atualmente moro na minha cidade novamente mas voltarei para o rio em julho. Tambem, na epoca que meu namorado prestava serviço em uma empresa em recife passava longas temporadas la com ele.
    No Rio, concordo com o mau atendimento em serviços basicos,como restaurantes e onibus e esse preconceito do carioca da zona sul com o carioca da zona norte. Acho tambem que a Barra é um mundinho a parte, morei la um tempo,meu pai ainda mora la, mas nao me senti bem lá, acho que é um estilo de vida bem particular, pra quem gosta de fazer tudo de carro e tal. Eu nao curto, prefiro fazer as coisas a pé, então curti muito mais ter morado no flamengo e na tijuca por exemplo.
    Uma coisa que senti muito, é como alguns cariocas ( não TODOS, friso bem) se valem dessa imagem de sangue bom, de dar sempre um jeitinho pra tudo, pra usar de malandragem pra cima dos outros. Passei por situações de cariocas querendo dar uma de malandros pra cima de mim por acharem que eu era bobinha, do interior. Mas acho que isso acontece em todos os lugares, não é um mal do rio.
    Quanto a recife, ameiiii a cidade, algumas pessoas foram bem solicitas, mas tambem me senti maltratada em alguns lugares por pessoas que ouviam que eu era de fora e tratavam de ser curtas e grossas comigo.
    Enfim, acho isso um problema de todos os lugares, mas essa imagem que é vendida do rio realmente é um absurdo, talvez por isso o desapontamento das pessoas quando aí chegam, uma vez que a expectativa criada é muito grande.
    Um super beijo e uma ótima recuperação Carol!

    ResponderEliminar
  42. Ah, Carol.

    O livro retrata um tipo de carioca, a "Garota Zona Sul". Essa sim, nasceu, vive e vai morrer aí pelo arredores de onde você mora. Ela paga 60 reais numa pizza na Guanabara, ela usa Farm e anda de metrô pra lá e pra cá, ela tem empregos de profissões "conceituais", fala inglês fluente desde os 9, foi pra Disney aos 7 e não aos 15 e ama Paris.

    Agora você precisa conhecer a carioca da Zona Norte e a da Baixada (porque tem essa palhaçada de que carioca é só quem nasce no município do RIo, mas pra mim carioca é qualquer um que demora menos de 2 horas pra chegar na praia, o resto é paulista).

    Essas menins adoram os "paraíbas", porque elas tem parentes lá e adoram os primos e seus sotaques malucos, essas garotas tomam sol na laje e no quintal, até porque elas não moram de frente pro posto 9 e isso é só pra ocasiões especiais, elas gostam de pagode e samba sim, mas também gostam de funk, axé, sertanejo e qualquer outra coisa que seja "dançável", sem preconceitos. Elas viram sua amiga de verdade, a primeira vista pode até parecer metidez, mas ela não vai te convidar pra casa dela com o tão conhecido "passa lá em casa" dos cariocas. Ela só vai te convidar se realmente quiser que você vá e quando ela fizer isso você vai na casa dela, vai comer da comida dela, vai ajudar a lavar a louça (óbvio, pq vc não é nenhuma princesa), vai dormir no quarto dela e se fizer sol de manhã, ainda vai pegar um biquiní emprestado pra pegar um sol na piscina de plástico e comer um churrasco ao som de Molejão. Se melhorar, de noite ela vai te levar pro baile funk, vai te ensinar a dançar e você vai acabar rebolando até o chão feito louca.

    O preconceito que você experimenta eu também experimento. Porque sou de Duque de Caxias e hoje moro em Brás de Pina, você vê nos olhos das pessoas que elas me acham educada e bem arrumada pra uma caxiense. E quando eu estou no Posto 9 de Ipa (porque é só pegar o trem e o metro depois) e as meninas da Z.S. me ouvem dizendo que eu sou de Caxias é quase como se você pudesse ver as bolsas sendo escondidas.

    Sei que muitas vão se sentir feridas pelo meu comentário, mas que atire a primeira pedra a garota zona sul que nunca olhou com suspeita pra um morador da Baixada Fluminense.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo16.2.13

      Ameeeeeeeeeeei seu comentário! Super me identifiquei!
      Já passei muito preconceito por ser da baixada e as vzs frequentar alguns lugares na zona sul, tanto que hj em dia evito ao maximo ir pra lá, não me sinto bem nem a vontade... :(

      Moro em Magé, e como aqui é uma cidade muito pequena, com poucas opções de "qualquer coisa pra se divertir" e também de trabalho e estudo, a maioria do pessoal daqui sempre estuda/trabalha em outras cidades, e assim acaba conhecendo gente do Rio de Janeiro inteiro. Conheço gente da Zona Sul, da Tijuca/Grajaú/Vila Isabel(que amo!) de Caxias, pois estudava lá, mas não tem lugar que eu adore tanto como a área Irajá/Vista Alegre/Vila da Penha. Amo amo amo amo estar ali, as pessoas são ótimas, são receptivas, fiz várias amigas ali que me acolhiam nos fds, exatamente igual a essa parte que vc escreveu: Elas viram sua amiga de verdade, a primeira vista pode até parecer metidez, mas ela não vai te convidar pra casa dela com o tão conhecido "você vai na casa dela, vai comer da comida dela, vai ajudar a lavar a louça (óbvio, pq vc não é nenhuma princesa), vai dormir no quarto dela e se fizer sol de manhã, ainda vai pegar um biquiní emprestado pra pegar um sol na piscina de plástico e comer um churrasco ao som de Molejão. Se melhorar, de noite ela vai te levar pro baile funk, vai te ensinar a dançar e você vai acabar rebolando até o chão feito louca." Me recebiam na casa delas como se fosse da família! Amo minhas amigas de lá, e sinto super falta de não poder estar por lá sempre, apesar de não ser tão longe daqui. Sempre tive momentos ótimos e muito felizes com essa galera. Ia pra lá e não queria voltar pra casa! Sempre tiveram muita curiosidade em relação ao lugar onde moro, pq nunca ouviram falar nem nunca vieram aqui, mas eu sempre levei a curiosidade e a zoação deles numa boa, pq nunca houve desrespeito. Quem não conhece a Zona Norte e a Baixada 'tá perdendo!'. Fiquei super feliz em ler o seu comentário, pq ngm havia citado essa região ainda! :DDDDDD


      Vívian

      Eliminar
  43. Lá vem comentário polêmico, mas não posso me segurar.
    Sou de SP mas já morei no Rio, visitei muuito o Nordeste e hoje moro em BH.
    Vamos lá:

    O livro: é um guia da Zona Sul, gente. Tá escrito isso lá no começo, inclusive. Existem várias cariocas, várias paulistas, várias recifenses. Pra mim, coisa mais ignorante é a gente ficar achando que sabe e conhece "a carioca" "a paulista"...aff Quem disse que a carioca da ZN é mais carioca que a da ZS?
    Mesmíssima coisa que achar que brasileiro de verdade tem que saber sambar e jogar futebol...tsc tsc tsc
    Crítica ao livro eu tenho sabe onde? Na porcaria de projeto gráfico! Meldellssss As fotos do Rioetc são lindas de viver aí me fazem um livro horroroso! Com fotos pequenas, papel ruim, diagramação simplista. Aí sim A Parisiense (que tbm retrata UM TIPO DE parisiense, dá show de bola. Livro pra guardar e ver sempre de tão bonito e bem acabado!).

    Sobre o Rio: é lindo lindo lindo. ô cidade linda! hahahaha Mas falo isso do ponto de vista de quem frequentou/frequenta a ZS. De quem sempre esteve no Rio a passeio (mesmo quando morei). Apesar do metrô não levar ninguém a lugar algum e de táxis serem uma experiência de alto risco de morte/aventura.
    **Baile Funk do Arará é uma experiência antropológica que eu recomendo demaaaaaais**

    Sobre SP: é uma ótima cidade quando você frequenta apenas o Shopping JK e o metrô da linha verde! hahahaha Quero veeeeeeer achar SP delícia quando vc tem que pegar o trem pra Calmon Viana pra chegar na USP Leste! Aí é osso meus queridos! Mas tem todos restaurantes do mundo e todas as coisas do mundo. E isso não tem preço!

    Sobre Recife: atendimento ZERO! 15 minutos no Mcdonalds é last-food! hauhauhauahau Mas as baladinhas da Rua da Moeda são mara! E claro, o melhor carnaval do Brasil!
    *O Carnaval do Rio tb é óóótimo*

    Sobre BH: atendimento? chega a ser pior que o do Nordeste. MAS aqui come-se pão de queijo de verdade (e não aromatizado como em SP) e cachaça a preços módicos (bêbada!)
    *Inhotim, o museu a céu aberto que mistura arte e natureza! SURREAL * Fica em brumadinho, mas 60km de BH é BH né. hahaha

    Em resumo: as cidades tem seus defeitos e qualidades e CADA PESSOA experimenta um tipo de sensação com a cidade a partir de SUA EXPERIÊNCIA PESSOAL com ela. Tem muito a ver com o local onde mora, o trabalho que tem, a turma que convive, o momento da vida e etc.
    Não tentem, meninas e meninos, criticar o fulano que passou uma imagem da sua cidade que não corresponde à imagem que VOCÊ tem dela.
    Existem opiniões e opiniões, experiências e experiências.

    Visitemos o Rio, SP, BH, Recife e continuemos a ler livros/guias. Os que contém boas informações e também sejam bonitos, claro!

    =)

    ResponderEliminar
  44. Ih Carol!

    Achei que meu coment não tinha ido depois do Carnaval e hoje escrevi outro! kkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    A doida que faz as coisas na quarta-feira de cinzas e hoje faz tudo denovo! kkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    ResponderEliminar
  45. Carol...acho que esse assunto de preconceito, da imagem que vende a carioca ou não, etc..já saturou..rs...vim enfocar a Tijuca!rs Sou nascida no Rio, mas muito pequena fui pra Vitória/ES..e depois de formada, voltei a morar no Rio...então me intitulo "capixoca"...rs Desde que vim morar no Rio, vim pro Grajau...meu namorado morava aqui e me idenfiquei c/ o bairro além dos meus porto-seguros (familia do namo e namo) estarem alí... E não tenho do que reclamar! O Grajau é colado na Tijuca, mas não tem a "muvuca" da Tijuca...E concordo com o que a Ana (HVAO) que diz que a Tijuca não tem o "agito zona sul" mas tem a Praça Vanhargen pra um chopp gelado, os shoppings estão cheios de lojas otimas, está longe da praia mas tem transporte pra todos os lugares do Rio...então, sou mais uma que engrossa o côro p/ vc vir pros lados de cá...e quando vier avisa pra marcarmos um choppinho!!!!
    Beijos

    ResponderEliminar
  46. Anónimo22.2.13

    Super concordo! Sou nordestina e namorei por 3 anos um carioca e vivia ouvindo exatamente isso, "Como é sua cidade? Tem boi e vaca na rua?" oiiiii??? absurdo hoje em dia as pessoas pensarem assim..
    Você só esqueceu mais um característica dos cariocas.Ficava abismada quando o meu ex encontrava um amigo de longas datas que nao via faz tempo e fazia "vamos marcar algo esse fds!!" quando chegava o fds nenhum dos dois ligavam e nunca mais se encotravam..
    Isso era constante! Sempre acontecia isso! Povo maluco kkk
    Não troco meu nordeste por nadinha... mesmo conhecendo o Rj de cabo a rabo, conhecendo as boas, as muito boas e as fracas, sinceramente... nada como uma cidade tranquila pequena e com belezas naturais tais quais o Rio tem! Viva o nordeste, viva o nosso sotaque lindo!!

    ResponderEliminar
  47. To bem atrasada, soube desse post através do post da Ju (blog Tem no meu quintal).
    Concordo com muita coisa que você disse!!
    Mas tenha esperança existe muito carioca gente boa mesmo!! rsrs

    Eu não li o livro, mas baixei o aplicativo, e surtei quando vi que só tinha dicas pra zona sul e parte do centro da cidade.
    O Rio é muito mais que isso, tem mais pra conhecer!
    Sou moradora de Realengo (zona oeste, suburbio... chamem como quiser) e aqui, na Barra, Recreio, Meier, Tijuca, Campo Grande e até Bangu tem lugares, baladas e tudo mais pra se divertir, fazer uma social.

    Vai além da zona sul!

    ResponderEliminar

Subscribe